Farmácia e bioquímica: novas pesquisas e crescimento dos genéricos impulsionam setor

As atribuições deste profissional, no entanto, são bastante extensas e não se resumem apenas à área de medicamentos

SÃO PAULO – O avanço da ciência é algo que não se pode contestar. Se, por um lado, algumas doenças bastante graves preocupam, por outro acompanhamos, pelos meios de comunicação, novas e revolucionárias descobertas que trazem otimismo e um futuro promissor.

Acompanhando esta tendência, novos medicamentos são desenvolvidos, visando a cura e melhores condições de recuperação do paciente. Aí entram também os remédios genéricos que, a um custo menor, tornaram mais acessível o tratamento médico à população. Todo este trabalho, de dedicação e muito estudo, é realizado por profissionais de diferentes áreas de biológicas, entre eles o farmacêutico bioquímico.

O que faz um farmacêutico?

As atribuições do farmacêutico e bioquímico são bastante extensas. Porém, diferente do que muitas pessoas imaginam, ele não pesquisa, prepara e comercializa apenas remédios, mas também cosméticos e produtos de higiene pessoal.

PUBLICIDADE

Experimente observar no frasco do seu shampoo, por exemplo: verá o nome de um farmacêutico responsável pelo produto, geralmente acompanhado de seu registro no CRF (Conselho Regional de Farmácia). Sua tarefa, neste caso, é de analisar e testar substâncias, observando e evitando a possibilidade de reações ao organismo do consumidor.

E não pára por aí! O farmacêutico pode atuar também na indústria alimentícia, controlando a qualidade das matérias-primas utilizadas e do produto final, evitando a comercialização de artigos adulterados ou falsificados que possam colocar em risco a saúde do consumidor.

Onde o farmacêutico pode trabalhar?

O campo para quem cursa farmácia e bioquímica é amplo, oferecendo várias opções. O profissional pode atuar em farmácias convencionais, públicas e hospitalares, de homeopatia ou de manipulação (lembrando que é obrigatória a presença de um farmacêutico responsável nestes estabelecimentos).

Pode trabalhar também em análises clínicas e toxicológicas, realizando exames clínicos em laboratórios. Consegue emprego ainda em indústrias farmacêuticas, de alimentos e bebidas, produtos de higiene e cosméticos, ou mesmo na área de ensino e pesquisa.

Será que levo jeito?

Antes de se empolgar tanto pela profissão, observe algumas características importantes do perfil do farmacêutico: como trabalhará com muitos profissionais de diferentes áreas, precisa ter facilidade de se relacionar com as pessoas e espírito empreendedor, já que, em muitas situações, terá chances de montar seu próprio negócio ou envolver-se diretamente na área estratégica da empresa onde trabalha.

Como sua profissão está diretamente ligada ao estudo e à pesquisa, é fundamental que o estudante tenha gosto e afinidade por disciplinas como química e biologia, além de conhecimentos específicos para a área de medicamentos.

Sobre o curso

Se você pretende fazer o curso de Farmácia e Bioquímica, aí vai: são, em média, cinco anos de estudo na faculdade. É natural que, nos primeiros três anos, você tenha maior contato com disciplinas básicas, como química orgânica e analítica, fisiologia, bioquímica. Na segunda parte do curso o contato com a área prática torna-se maior, por meio de disciplinas profissionalizantes como a química farmacêutica, a farmacologia e a biologia molecular.

Em algumas faculdades o aluno terá contato ainda com uma farmácia-escola, que lhe proporcionará um contato maior e mais prático com o ramo de atividade. Por isso, vale sempre a dica: antes de ingressar no curso superior, verifique com cautela a instituição de ensino que pretende freqüentar. Nem tudo é o que parece e você merece sempre escolher o melhor. Boa sorte!