Famílias estão mais satisfeitas com nível de consumo

Apesar disso, 63,4% delas pretendem aumentar o consumo nos próximos três meses, segundo a CNC

SÃO PAULO – As famílias brasileiras estão mais satisfeitas com o nível de consumo atual, item que atingiu patamar recorde em pesquisa referente ao mês de novembro realizada pela CNC (Confederação Nacional do Comércio) e divulgada na sexta-feira (19).

Os motivos para isso são o crescimento do emprego e da renda real, que impulsiona a massa de rendimentos ao mesmo ritmo verificado antes da eclosão da crise de 2008, segundo a CNC.

De acordo com os dados, neste mês, 39,6% das famílias estão mais satisfeitas com o consumo corrente do que há um ano, ante 34,8% que responderam que estão iguais e 25% que disseram que estão menos satisfeitos.

PUBLICIDADE

Desta forma, este item apresentou 114,7 pontos, após alta de 2,4% frente a outubro. Abaixo de 100, o índice revela uma percepção de insatisfação e, acima deste patamar, indica satisfação, que pode chegar a 200 pontos.

Puxaram esta alta as famílias com renda de até dez salários, com incremento de 2,8% na satisfação com o nível de consumo atual. No corte regional, o destaque ficou com a região Norte, com alta de 9,2%.

Perspectiva
Em relação à perspectiva de consumo, 63,4% pretendem aumentar nos próximos três meses, ante 22,6% que pretendem deixar igual e 10,9%, menor.

Desta forma, o indicador apresentou 152,4 pontos em novembro, apresentando alta de 3,7% frente a outubro, puxada tanto pelas famílias de alta renda (+4,2%) quanto pelas de baixa renda (+3,6%).

No corte regional, com exceção do Norte, todas as demais apresentaram alta em relação ao mês anterior, especial a Sul, onde o salário médio de admissão cresce acima da média nacional.

A perspectiva só irá se concretizar, de acordo com a CNC, se continuar o cenário favorável do mercado de trabalho e das condições de crédito.

Se a massa de renda crescer 7,7% neste ano e a concessão de crédito aumentar 17,1%, 2010 será o ano com maior crescimento do volume de vendas no varejo da década, com alta de 10,8%. Para 2008, a expectativa da CNC é de alta de 8,8% nas vendas no varejo.