Falta de tempo é um dos motivos para desistência dos cursos on-line

Além disso, segundo pesquisa do IEA em parceria com Sebrae, motivos financeiros também foram empecilho

SÃO PAULO – A falta de tempo para fazer um curso leva muitos profissionais a optarem pelos cursos on-line. Entretanto, um estudo realizado pelo IEA (Instituto de Estudos Avançados) em parceria com o Sebrae constatou que, entre os 60.627 inscritos no curso à distância do Sebrae, mais de 55% não concluíram o curso.

Grande parte dos entrevistados (77,7%) disse que os problemas pessoais, entre eles a questão financeira, a falta de tempo e questões de saúde foram os principais motivos para abandonar o curso. Já 19,1% relataram que o principal empecilho para a conclusão do curso foi o obstáculo para ter acesso ao computador ou à internet, bem como a dificuldade em manter a rotina de estudos.

Outros 0,1% disseram que desistiram por conta do atendimento da tutoria (administração do curso). Além disso, os alunos também apontaram como motivos para encerrar o curso sem concluí-lo o atendimento da monitoria (0,2%), o ambiente do curso (0,7%) e o fato de que o conteúdo ensinado não atendeu às necessidades e expectativas desses alunos (2,2%).

PUBLICIDADE

A pesquisa teve a participação voluntária de 7,4 mil pessoas, entre elas 5.734 alunos que desistiram do curso em 2008 e outros 1.666 que efetuaram a inscrição, mas não chegaram a participar de nenhuma aula.

Falta de organização

Na opinião da diretora superintendente do IEA, Rita Guarezi, a falta de organização na administração do tempo é, de fato, o grande complicador, que impede a conclusão dos estudos à distância. Isso ocorre porque a maioria dos alunos tem dificuldade em reservar algumas horas do seu dia para a educação em meio ao desgaste diário causado pela rotina de trabalho e pelos demais afazeres.

“Os profissionais hoje vivem um momento de estudo e trabalho simultâneos, além do modo de vida corrido que levam. Quando veem a possibilidade de realizar um curso pela internet lhes parece mais fácil conciliar. Realmente, há mais flexibilidade em relação ao local e horário de estudo, porém é necessário mais tempo de dedicação, uma vez que praticamente toda gestão da aprendizagem, nesta modalidade, fica por conta do aluno”.

Cursos on-line pagos x gratuitos

Rita ressalta ainda que, quando os cursos on-line são pagos, o índice de desistência é menor. “Hoje os cursos pagos que o IEA promove chegam a mais de 95% dos concluintes e os cursos gratuitos de larga escala, como os do Sebrae, atingem percentuais entre 50% e 70% de concluintes, índices excelentes para cursos grátis de larga escala”.

A diretora superintendente do IEA afirma que muitos daqueles que se inscrevem para participar de cursos à distância gratuitos não assumem o compromisso de estudo com seriedade.

Desistência antes do início

Outro foco da pesquisa foi avaliar quais foram os motivos que levaram 1.666 alunos a desistirem do curso antes de iniciá-lo. Neste caso, novamente os problemas pessoais, dentre eles a dificuldade financeira, a falta de tempo e os problemas de saúde foram apontados por 51,5% dos participantes.

Já a dificuldade de acesso a computador ou à internet foi citada por 23,5% das pessoas que desistiram de começar o curso on-line. Outros 6,1% dos inscritos que responderam o questionário disseram que não fizeram o curso porque arrumaram um emprego; 4% nem chegaram a frequentar o curso, porque não receberam a senha de acesso; 1% relataram desinteresse sobre o tema do curso e 13,9% apontaram outros motivos.