Faculdade: vale a pena escolher curso para manter o emprego?

Antes de tomar qualquer decisão, candidato deve pensar se realmente gosta daquilo que faz atualmente, dizem especialistas

SÃO PAULO – Por necessidade ou em busca de independência financeira, é cada vez mais comum encontrar jovens recém-formados ou ainda cursando o Ensino Médio no mercado de trabalho. Por conta disso, não raro, muitos desses jovens acabam escolhendo o curso de graduação pensando em manter ou crescer no emprego atual, mas será que vale a pena?

De acordo com especialistas, antes de tomar qualquer decisão, o candidato deve pensar se realmente gosta daquilo que faz atualmente e se consegue se ver naquele ramo de atuação futuramente. Caso contrário, alertam, a pessoa pode tornar-se um profissional frustrado.

“Irá valer a pena se o indivíduo realmente se vê naquele ramo de atuação, seguindo aquela carreira. Ou seja, se está de acordo com seu perfil e com o que ele quer para o seu futuro a longo prazo”, observa a consultora de RH (Recursos Humanos) do Grupo Soma, Juliana Saldanha de Castro.

PUBLICIDADE

A orientadora educacional do CIEE (Centro de Integração Empresa Escola), Idamar Carpinelli, concorda, mas acrescenta outra visão: “Se o problema for financeiro, talvez, valha a pena a pessoa utilizar essa experiência para criar novas oportunidades futuramente”.

Antes de escolher, que atitudes tomar?
Ainda segundo as especialistas, antes da escolha, também vale a pena conversar com os superiores no emprego atual. Contudo, na opinião de Idamar, esta não deve ser a única fonte de informação do profissional: feiras de curso e orientação vocacional, por serem imparciais, também podem dar um bom auxílio.

Além disso, independentemente da pessoa já trabalhar ou não, na hora de optar por uma carreira, ela deve considerar o seu perfil, as habilidades que quer desenvolver, as matérias que irá estudar e quais as possibilidades de atuação daquela carreira.

“A pessoa não deve escolher pensando somente no salário ou na empregabilidade, pois o mercado muda (…) Se for um bom profissional, no geral, ela se destacará na carreira que escolher”, diz Idamar.

Trabalhando e estudando
Por fim, orienta Juliana, passado o período da escolha e chegada a hora de trabalhar e estudar, o novo universitário deve ter disciplina para que nem a faculdade nem o emprego sejam prejudicados, devendo, para isso, administrar o tempo de forma adequada.

“Trabalhar e estudar ao mesmo tempo requer uma habilidade muito grande em saber administrar suas prioridades, pois nenhum dos dois deve ser prejudicado. Muitas vezes, quando estamos trabalhando, deixamos o desempenho acadêmico em segundo plano e isso, a longo prazo, pode ser muito prejudicial, uma vez que o conhecimento deixado de lado naquele momento pode ser fundamental em uma oportunidade futura”.