Mercado

Expectativa de contratação dos empresários brasileiros é uma das maiores do mundo

Segundo pesquisa, o Brasil está em sexto no ranking de intenção de contratação

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Os empresários brasileiros estão otimistas quando se trata de contratação de profissionais. Segundo dados do International Business Report – (IBR) 2013 – da Grant Thornton, a expectativa do brasileiro está bem acima da média global e entre as mais alta do mundo.

O Brasil aparece em sexto lugar no ranking, ficando atrás apenas dos Emirados Árabes Unidos (66%), Georgia (60%), Turquia (56%), Peru (54%) e Índia (53%). A média global é de 25%, dos BRICs 18%, e do Brasil 51% de intenção de novas contratações nos próximos doze meses, um crescimento de 5 p.p com respeito ao segundo trimestre.

Falta de mão de obra
Os dados indicam ainda que a falta de mão de obra qualificada é considerada restrição para o crescimento para 47% dos empresários brasileiros, mais que a média global (29%) e dos BRICs (38%).

Aprenda a investir na bolsa

Na comparação com o último trimestre, o Brasil recuou 8 pontos percentuais e está na 8ª posição na lista dos países com maior carência desse tipo de profissional, atrás de Filipinas, Vietnã, Índia, Botswana, Latvia, Nova Zelândia e Tailândia.

Salário
Por fim, os dados indicam que o aumento salarial real – acima da inflação – não está contemplado pela maioria dos empresários brasileiros. Porém, 93% dos negócios do País vão dar incrementos salariais no próximo ano, apenas 20% deles pretende conceder acima de taxa inflacionária, acima da média global (15%) e dos BRICs (17%).

Para o sócio da Grant Thornton, Fabio Luis de Sousa, a proximidade com a Copa do Mundo impactou bastante nos resultados do IBR deste trimestre para emprego e salário. “Há uma tendência de forte investimento das empresas na formação e especialização de seus funcionários. Além de ser uma forma de valorizar e estimular a as pessoas a entregarem melhores resultados, é uma saída para o problema da falta de mão de obra especializada.”