Existem maneiras e maneiras de demitir: veja as praticadas com executivos!

Algumas empresas somente consideram questões trabalhistas, enquanto outras oferecem recolocação profissional

SÃO PAULO – Diante da crise financeira global, muitas empresas estão se deparando com a necessidade de diminuir o quadro de funcionários. E os executivos não passam ilesos por essa situação. O problema é que algumas organizações se preocupam com o destino desses profissionais, enquanto outras agem de maneira contrária.

De acordo com o consultor em RH (recursos humanos), Laerte Cordeiro, uma forma de a empresa demitir é simplesmente pedir para o executivo “passar no caixa”, quando ela cumpre somente as questões trabalhistas. Ocorre a rescisão, sem adição de qualquer benefício extra.

Mas também existem as empresas que dão um aviso prévio pago em valores ampliados, como três meses de salários, ou a manutenção do convênio médico por alguns meses até arrumar um novo emprego. “Não há qualquer preocupação manifestada com relação à recolocação do demitido”, explicou Cordeiro, apesar de a organização oferecer benefícios.

Ajuda

PUBLICIDADE

Ainda existem empresas que apoiam a recolocação via recursos humanos. “Embora tal procedimento possa funcionar razoavelmente para funcionários/operários, não apresenta grande sucesso com relação à recolocação de executivos. Em geral, é difícil convencer outras empresas de que o profissional que não deu certo em nossa organização será bom para elas”, disse o consultor, ressaltando que os executivos não se sentem à vontade para negociar com quem tratou de sua saída da empresa.

Outra forma de ajuda à recolocação é financeira. A empresa paga um serviço de consultoria para o executivo, mas o procedimento tem o inconveniente, para a companhia, de não ter certeza se o dinheiro será usado realmente para o serviço. “Observa-se, em muitos casos, que o demitido volta à empresa para pedir nova ajuda”.

Outra opção oferecida pelas empresas aos executivos é o outplacement, ou a recolocação com serviços especializados contratados pela empresa demissora. O benefício é incluído no pacote de saída do executivo.

“As empresas mais atualizadas e modernas, que percebem sua responsabilidade social, principalmente junto ao seu contingente de recursos humanos, já estão hoje adotando a política do outplacement para seus executivos. Embora aumentando gastos, os benefícios diretos e indiretos para essas empresas e para os seus executivos mais do que justificam tal investimento”, finalizou o consultor em RH.