Viagem ao passado

Executivos do Goldman Sachs dão conselhos às suas versões mais jovens

Blog da companhia é atualizado diariamente; veja os primeiros

SÃO PAULO – Na semana passada, o Goldman Sachs lançou, no blog da empresa, uma seção onde líderes oferecem conselhos que dariam às suas versões mais jovens. 

Em “se eu estivesse me formando hoje: líderes do Goldman Sachs dividem conselhos que dariam a si mesmos mais jovens”, a companhia publicará, uma vez por dia durante duas semanas, novas respostas inspiradoras ao redor do mundo.

Confira algumas dentre as que já estão disponíveis:

PUBLICIDADE

“Trate todos os dias como uma oportunidade de aprendizagem e defina o aprendizado amplamente, esteja aberto a feedbacks e pague adiantado – quanto mais você ajudar os outros, mais fácil será conseguir apoio e colaboração quando você precisar” – Damian Sutcliffe, Diretor administrativo da Divisão de Tecnologia em Londres.

“Você deve trabalhar com muito, muito empenho para ficar realmente boa no que faz. Tente tornar-se indispensável.

Em um nível prático, quando estiver em um evento de negócios, lembre-se de três coisas:

1. Segure sua bebida com a mão esquerda para que a direita não esteja molhada e desengonçada quando for apertar a mão de outra pessoa

2. Use a etiqueta com o seu nome na lapela direita para que a pessoa possa ler seu nome quando estiver apertando a sua mão

3. Repita o nome da pessoa em voz alta quando se apresentarem para ajudar a lembrar do nome depois” – Esta Stecher CEO do Goldman Sachs Bank nos EUA

PUBLICIDADE

“Se estivesse me formando hoje, diria ao meu eu mais jovem que reconhecesse que o caminho para o sucesso requere um esforço tremendo e resiliência. Ponha-se em ambientes cercados de positividade para aproveitar o que será uma jornada longa e desafiadora para alcançar as metas que estabeleceu para si mesmo” – David Lang: Diretor do Escritório e Salt Lake City

“Se estivesse me formando hoje, falaria prontamente quando tivesse uma boa ideia e levantaria minha mão voluntariamente quando visse uma oportunidade promissora. Eu deixaria meu smartphone de lado quando estivesse em reuniões de trabalho e em jantares de família, daria a eles minha atenção completa. Não ficaria focada no curto prazo, mas teria disposição para fazer o trabalho extra para crescer profissionalmente e pessoalmente no longo prazo” – Stephanie Hui: da divisão de Merchant Banking em Hong Kong.