Executivos de suporte à gestão estão insatisfeitos com emprego atual

Segundo a Page Personnel, 86,3% dos profissionais gostariam de trocar de empresa ou área de atuação nos próximos 12 meses

SÃO PAULO – Os profissionais de suporte à gestão de São Paulo, Rio de Janeiro e Campinas estão insatisfeitos com seu emprego atual. Ao menos é isso o que aponta um recente levantamento realizado pela Page Personnel, do grupo Michael Page.

De acordo com a pesquisa, dos 200 profissionais consultados, 86,3% deles gostariam de trocar de empresa ou de área de atuação nos próximos 12 meses.

O perfil
A amostra analisada incluiu analistas, coordenadores e jovens gestores de diversos setores, com faixa etária de 20 a 30 anos, de nível salarial entre R$ 2 mil e R$ 7 mil.

PUBLICIDADE

“Este grupo se comporta de forma mais agressiva com relação à própria carreira e tende a se movimentar mais. Contudo, deve ser ponderado qual é o melhor momento para arriscar-se e avaliar cuidadosamente quando essa é a melhor alternativa”, aconselha o diretor da Page Personnel Brasil, Danilo Castro.

De acordo com o levantamento, 46% dos respondentes pretendem trocar de empresa, mas querem se manter na mesma área. Já outros 20% dos executivos consultados preferem ficar na companhia em que atuam, mas trabalhando em uma área diferente.

Os que pretendem trocar de emprego e setor somam 20% e há ainda outros 5% que sonham em montar seu próprio negócio ou assumir o negócio da família, detalha a pesquisa.

SP: maior insatisfação
A Page Personnel também procurou identificar a região que concentra o maior índice de insatisfação profissional. Neste quesito, São Paulo foi a campeã, com 92% de profissionais interessados em mudar de emprego ou área de atuação.

Em Campinas e região, qos profissionais que deram a mesma resposta somam 89%. Já no Rio de Janeiro, os executivos interessados em novas oportunidades de trabalho somaram 78,9%.

“Encontrar a verdadeira causa de insatisfação é o grande desafio, mas a melhor solução é encarar o problema e contorná-lo. Movimentar-se internamente também pode ser uma uma boa ideia, já que demonstra comprometimento com a empresa e vontade de crescer”, diz Castro.