Executivo: está desempregado? Confira 10 atitudes que podem ajudar

O especialista em Carreiras, Laerte Leite Cordeiro, aconselha que a pessoa observe algumas regras de conduta que podem ser positivas

SÃO PAULO – Estar fora do mercado de trabalho, para grande parcela da população, é algo que chateia e desmotiva. Estes sentimentos são comuns a todos os profissionais, inclusive os executivos.

Para ajudar o executivos que estão desempregados, o especialista em Carreiras e Empregos Executivos, Laerte Leite Cordeiro, aconselha que a pessoa observe algumas regras de conduta que podem ser positivas.

“Mas para que esse objetivo de vida possa ser alcançado algumas regras atuais de mercado precisam ser seguidas, como se fossem mandamentos de conduta que todos devemos seguir para nos ajudar a conquistar de volta a situação de realização moral e material que todos buscamos”, diz.

PUBLICIDADE

10 mandamentos do executivo desempregado
Pensando nisso, Cordeiro listou as 10 atitudes que o profissional deve ter:

Não se esconda em casa: ficar “escondido” ou apenas descansando em casa não possibilitará que uma boa oportunidade de emprego apareça;

Organize a sua rede de contatos: inclua nesta lista o maior número possível de parentes, amigos, vizinhos, colegas, chefes, ex-funcionários, professores, entre outras pessoas que podem ajudar na sua recolocação profissional;

Tenha um plano de contingência: monte um plano de contingência para ocupar seu tempo e talento. Consiga um trabalho de assessoria transitória na empresa de um parente ou amigo, mesmo que sem ganhar nada. A ideia é que seu trabalho seja visto por outras pessoas;

Aprimore o conhecimento em outros idiomas: ter conhecimento na língua inglesa é imprescindível para qualquer executivo que busca um novo emprego. Se o seu inglês não é fluente, corra atrás e melhore sua competência aproveitando o tempo agora disponível. Outro idioma importante de ter no currículo é o espanhol, por isso aproveite para estudar evitando, assim, o “portunhol”;

Cadastre o seu currículo: gradualmente, as principais consultorias de Recrutamento e Seleção de Executivos (Headhunters), assim como muitas empresas, estão exigindo que os candidatos cadastrem seus dados diretamente no site. Lembre-se que muitas não querem mais receber currículos por e-mail, muito menos em papel;

PUBLICIDADE

Não deixe de ver as vagas no jornal: apesar dos jornais não terem a quantidade de vagas de emprego como anos atrás, ainda existe uma pequena parcela de recrutadores que ainda publicam uma oportunidade de trabalho neste tipo de veículo, por isso, fique atento aos cadernos de emprego;

Procure suas empresas-alvo: o conceito de mala direta, que sugeria o envio do currículo do candidato a milhares de empresas, sem maior preocupação com a afinidade do currículo enviado com a posição vaga ou com a empresa interessada, desapareceu dos procedimentos considerados eficazes para divulgação de candidatos. Isso não significa, porém, que não seja útil definir quais empresas são alvos específicos do projeto de divulgação de cada candidatura e que, portanto, devam receber, sim, os currículos dos interessados;

Currículo deve ser persuasivo: um currículo é um documento que serve a um propósito persuasivo, ou seja, deve fazer com que o destinatário seja persuadido a fazer contato pessoal com um candidato ao emprego. Vale destacar que um bom currículo, por si só, não dá emprego a ninguém; um mau currículo, porém, pode tirar, do candidato, uma boa oportunidade. Já um currículo eficiente é aquele que conta o objetivo de carreira do candidato, oferece informações sobre os seus ativos pessoais e profissionais e informa sobre a evolução atualizada da carreira do profissional;

Ressalte a sua escolaridade e cultura: atualmente, o executivo que não tem uma pós-graduação ou um MBA em seu currículo tem poucas chances de ser escolhido para emprego, mesmo tendo muita experiência gerencial. As empresas estão em busca de profissionais não só tecnicamente competentes, mas também de pessoas que tenham ampla cultura geral, o que permite ter uma visão mais ampla e estratégica dos acontecimentos nacionais e mundiais. E é preciso também notar que nenhuma empresa quer apenas a escolaridade formal histórica no currículo, mas quer ver, no executivo, o seu interesse continuo por desenvolver seu talento em cursos, simpósios, congressos no Brasil e no exterior.

Acredite em si mesmo: neste momento, não se deixe levar pelo pessimismo. Os recrutadores e consultores sabem bem identificar quando o profissional deixa de acreditar em si mesmo e, ninguém quer contratar um derrotado. É importante, para o profissional que está desempregado, criar um novo projeto de vida que inclui a redefinição de objetivos, uma estratégia de atividade profissional e um programa de trabalho operacional para buscar aquilo que deseja. Portanto, um dos mais importantes mandamentos para o executivo desempregado é acreditar em si próprio.