Estudo traz 5 habilidades de comunicação determinantes na entrevista de emprego

Nada é pior para um entrevistador do que uma resposta lacônica, mas falar demais também é complicado

SÃO PAULO – A consultoria organizacional Right Management realizou um estudo que detectou as cinco habilidades comunicativas determinantes para o sucesso de um candidato na entrevista de emprego. Confira as dicas abaixo.

Fuja das respostas lacônicas

Nada é pior para um entrevistador do que uma resposta vaga e lacônica. Além disso, respostas longas demais demonstram que o candidato está nervoso e pode ter esquecido o cerne da questão, substituindo qualidade na resposta por quantidade de informações. Desta forma, ele conseguirá apenas desperdiçar o tempo precioso do entrevistador.

Um bom ensaio, com o feedback sincero de um conhecido, pode ajudar na formulação das respostas, que devem ser equilibradas entre responder adequadamente às perguntas do entrevistador e manter seus comentários com duração apropriada.

Organize as respostas

PUBLICIDADE

Uma resposta estruturada e concisa indica pensamento organizado e demonstra que o candidato não só tem o domínio do assunto como também sabe como comunicá-lo.

A dica é: antecipe as perguntas! Isso permite preparar e praticar respostas – o segredo para assegurar que o entrevistado está comunicando algo importante e convincente.

Ser eficiente em uma entrevista é semelhante a ser um bom orador. Cada resposta é resumida e pode conter alguns dos mesmos elementos de um discurso feito a um público maior, mas mais sutilmente.

Especialmente ao responder as perguntas, é importante estruturar a explicação, de modo que o ouvinte possa acompanhar facilmente o que está sendo dito. Por exemplo, é possível delinear as repostas no discurso de abertura que indica o escopo do que seguirá.

Fluxo lógico das informações

A lógica é o meio pelo qual se faz os argumentos racionais que dão sustentação às opiniões – conectando idéias, fornecendo evidência e chegando a conclusões para uma mensagem persuasiva.

Quando se fala de forma lógica, as pessoas conseguem seguir o raciocínio de quem fala e ver como e por que esta pessoa chegou a ele. Parece óbvio, mas, na hora do nervosismo, tudo isso pode ser esquecido.

A lógica existe sob diversas formas. Pode ser uma série de pensamentos que fazem sentido e se complementam; um raciocínio que parte de uma causa a um efeito; ou o apoio a uma afirmação geral, com exemplos.

Em uma situação de entrevista, a lógica é um ponto-chave para se dar bem. Quando o candidato não é claro, o entrevistador tem pouca base para concluir se ele realmente tem conhecimentos e é capaz de liderar uma equipe ou, ainda, de se comunicar efetivamente com a gerência.

Mantenha contato visual

Um fato fundamental na comunicação interpessoal é manter contato visual, aumentando a sensação de afinidade, comprometimento e confiança mútua. Olhar a pessoa com a qual se fala é um sinal de respeito e atenção. Isso é especialmente importante quando se está escutando.

Se os olhos do candidato vagueiam pela parede da sala enquanto o entrevistador está falando, inconscientemente ele passa mensagem de que não tem interesse naquilo que é dito. Um bom contato visual não precisa ser ininterrupto, pois ninguém gosta de ser encarado, mas deve ser interrompido apenas ocasional e momentaneamente.

Caso seja difícil manter contato visual, é bom que este seja praticado durante a preparação para uma entrevista. O candidato pode pedir a ajuda de um colega ou de um tutor para avaliar quão bem ele se sai e o que deve ser melhorado.

A dicção deve jogar a seu favor

O entrevistado não tem de ser um ator ou locutor para falar de modo claro. É preciso estar consciente disso e se esforçar. Poucas coisas podem arruinar uma primeira impressão como uma fala ininteligível. Isso faz as pessoas pensarem que o candidato não se importa se o que diz é ouvido ou compreendido, e o ouvinte pode se cansar em breve.

Às vezes, a fala confusa indica timidez, nervosismo ou insegurança. Há quem fale rápido demais, há quem fale “para dentro”, entre outros erros. Praticar, inclusive gravando e revendo seus hábitos de fala, pode ajudar bastante a tornar sua fala audível, clara, confiante e natural.