Estresse atinge 80% das pessoas no final do ano

Presidentes da ABQV e da Isma-BR explicam como evitar situações estressantes decorrentes da agenda lotada nesta época do ano

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O nível de estresse no fim do ano aumenta para 80% dos entrevistados para o estudo realizado pela Isma-BR (International Stress Management Association) com 678 pessoas, de 25 a 55 anos. Em média, elas ficam 75% mais estressadas. Para o presidente da ABQV (Associação Brasileira de Qualidade de Vida), Alberto Ogata, esse fato tem como principal fator a agenda lotada típica de dezembro.

“É quando as pessoas fazem os relatórios anuais, os planejamentos para o próximo ano, comparecem a inúmeros eventos, premiações e festas de confraternização, compram presentes, planejam viagens, e, no caso das mulheres, preparam as festas familiares”, relata.

A presidente da Isma-BR e coordenadora da pesquisa, Ana Maria Rossi concorda: “As causas desse estresse passam pela sobrecarga de trabalho nesse período, aumento do trânsito, solidão nos dias de festas e até gastos adicionais com presentes e viagens”, analisa.

Como evitar

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com a Isma-BR, o estresse causa sintomas físicos, comportamentais e emocionais, como insônia, problemas gástricos, irritabilidade, ansiedade e compulsão por remédios e comida.

Segundo o estudo, 60% dos entrevistados se dizem estressados pelo excesso de tarefas no trabalho, 25% acreditam que os gastos adicionais com presentes e festas aumentam seu nível de estresse, 75% se sentem mais irritados e 80% mais tensos.

Para evitar o estresse, Ogata recomenda o planejamento. “As pessoas devem fazer as compras e planejar viagens com antecedência, priorizar alguns eventos sociais e não comprar passagens para dias e horários de pico, quando os aeroportos estão cheios”, diz. “Equilíbrio e planejamento são as palavras de ordem.”

Já Ana Maria sugere exercícios de relaxamento e bem-estar, e o compartilhamento de tarefas como planejamento de viagens e festas com os demais familiares, para evitar a sobrecarga. “Não dá para mudar a situação. É preciso aprender a lidar com ela para que as tarefas se tornem prazerosas e não uma obrigação desgastante.”