Estados do Nordeste tinham os menores salários em 2005, aponta IBGE

Os dois menores valores eram de Alagoas (2,1 mínimos ou R$ 602), Paraíba (2,4 ou R$ 688) e Piauí (2,4 ou R$ 688)

SÃO PAULO – Em 2005, os estados que apresentavam os menores salários médios mensais estavam todos situados na Região Nordeste: Alagoas (2,1 mínimos ou R$ 602, considerando o valor médio de R$ 288,67 vigente naquele ano), Paraíba (2,4 ou R$ 688), Piauí (2,4 ou R$ 688), Ceará (2,5 ou R$ 721,67), Maranhão (2,5 ou R$ 716,67) e Pernambuco (2,6 ou R$ 745,34).

Os dados, divulgados nesta quarta-feira (19), fazem parte do “Cadastro Central de Empresas” (Cempre), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, e apontam que o salário médio mensal no Brasil era de 3,7 salários mínimos em 2005, ou R$ 1.060,68.

Diferenças regionais

Ainda segundo o IBGE, os estados com níveis de salário mais altos eram: Distrito Federal (6,8 mínimos ou R$ 1.949,35), São Paulo (4,5 ou R$ 1.290,01), Rio de Janeiro (4,3 ou R$ 1.232,68), Amapá (4 ou R$ 1.146,68) e Roraima (3,9 ou R$ 1.118,01).

PUBLICIDADE

Por outro lado, apenas o Estado de São Paulo respondia por 36,4% de todos os salários e outras remunerações pagas em 2005. Os demais estados do Sudeste representavam 21,4%; os do Sul, 16,4%; os do Nordeste, 12,5%; os do Centro-Oeste, 9,2%; e o Norte, 4,2%.

Pessoal ocupado

Além disso, São Paulo obteve 30,1% do pessoal ocupado em 2005, mais do que todo o restante da Região Sudeste (22,1%), Sul (18,5%), Nordeste (16,8%), Centro-Oeste (7,8%) e Norte (4,7%).

Considerando a participação sobre o pessoal ocupado assalariado os percentuais eram de 29,7% para São Paulo, 22,2% para o Sudeste, 17,7% para o Sul, 17,4% para o Nordeste, 8% para o Centro-Oeste e 5% para o Norte.