Especialista explica as gerações de profissionais que mudaram as empresas

Geração X vê liberdade como recompensa definitiva, ao passo que, para a Milênio, trabalho precisa ter significado

SÃO PAULO – As gerações de trabalhadores que surgem afetam o modo como uma empresa atrai e retém talentos. “Haverá forças importantes que modificarão o mundo do trabalho em escala mundial ao longo dos próximos três anos”, alertou a sócia-fundadora da consultoria de Recursos Humanos Felipelli, Adriana Felipelli, durante palestra realizada na Câmara de Comércio Suíço-Brasileira (Swisscam).

Ela citou quatro gerações de trabalhadores – tradicionalistas, boomers, geração X e milênio – que surgiram nesta ordem. Segundo especialistas, os boomers correspondem à geração nascida entre 1946 e 1964.

Antes deles, vieram os tradicionalistas. Já a geração X nasceu em 1965 ou depois. Por fim, a geração milênio (também chamada de Geração Y) é formada por aqueles com menos de 29 anos de idade.

O que cada geração deseja?

É importante, para as empresas, entender como pensa cada geração. “Atualmente, os executivos de Recursos Humanos se baseiam nas características gerais de cada geração para recrutar e reter executivos, montar estratégias de desenvolvimento de carreiras e gerir talentos”, explicou Adriana.

Segundo pesquisa apresentada na ocasião, 68% das pessoas entre 38 e 47 anos pretendem trabalhar após a aposentadoria, enquanto 60% das pessoas com mais de 48 anos fazem o mesmo plano. “As razões para continuar a trabalhar incluem a necessidade financeira e desejo pessoal, incluindo o desejo de permanecer mentalmente ativo e útil ou fazer algo divertido”, lembrou.

Adriana revelou ainda que, para os tradicionalistas, o reconhecimento e a satisfação por um trabalho bem feito vêm em primeiro lugar. Para os boomers, a recompensa vem de fora do trabalho (por exemplo, eles enxergam como recompensas a remuneração e as férias). A geração X vê a liberdade como recompensa definitiva, ao passo que, para a Milênio, a gratificação tem a ver com o significado do trabalho.

“Entre alguns dos desafios para o futuro, está tratar os funcionários como se trata os clientes; contratar e reter a geração milênio; recompensar os mais talentosos e leais; repensar a distribuição física do espaço de trabalho e estabelecer um programa de mentoria e coaching nas empresas”, finalizou.