Entre a faculdade e o cursinho: professor orienta quem passou em 2ª opção

Queria Medicina, tentou a sorte em Enfermagem e passou? Veja o que alunos devem fazer diante da situação

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Depois de um ou alguns anos de cursinho, você se depara com a seguinte situação: não passou no curso que seria a sua primeira opção, como Medicina, por exemplo, mas conseguiu uma vaga naquele que cogitou ser uma alternativa, como Enfermagem. Diante desta situação, o que fazer, encarar as aulas no cursinho novamente ou se matricular na faculdade?

Segundo o coordenador do Anglo, Luís Ricardo Arruda de Andrade, o primeiro passo é analisar se a segunda opção foi escolhida por causa de um medo ou comodismo. Se a resposta for positiva, nada de ir em frente. “Ou a pessoa será perseguida o resto da vida pela frustração”. Já a primeira opção precisa ser algo que o aluno realmente deseja. “Uma escolha consciente”.

O coordenador ainda orienta que, se o aluno tiver que mudar de opção, que mude radicalmente. “Para não ter nem que lembrar do outro curso“.

Muito tempo de cursinho

PUBLICIDADE

Outros pontos que devem ser levados em consideração são o tempo de cursinho, a idade do aluno e a situação financeira. “Não é a mesma orientação para quem começou agora e quem tem mais tempo de cursinho”.

No caso de uma pessoa de 18 anos prestando Medicina, Andrade diz que é melhor concentrar nas faculdades tidas como “tops”, enquanto quem já está há alguns anos batalhando por uma vaga deve se dar outras chances. “Entrar cedo na faculdade não é tão bom, principalmente em Medicina, curso no qual terá que lidar com um assunto tão forte, que é a morte. Faculdade exige maturidade”.

Já para as pessoas com mais idade e com situação financeira apertada, ele orienta que abra mesmo mais chances e procure algumas faculdades em outras cidades, além da que mora.

Orientação para escolha

Para escolher o curso certo, Andrade disse que o aluno precisa deixar a cabeça aberta e tirar as frases feitas, como “eu não me vejo fazendo outra coisa” e “sonhei desde criança”. “O mundo oferece outras opções”. Ele ainda disse que as pessoas escolhem sem nem mesmo saber o que é o curso.

Sobre a escolha, o coordenador ainda afirmou que existem especialistas que orientam ao aluno falar com alguém da área, o que, segundo ele, nem sempre é bom. “Se for com alguém bem-sucedido, terá uma visão boa, mas e se for alguém fracassado?”. Outros ainda aconselham a fazer pesquisa de mercado. “De que maneira? Contratando uma empresa? Isso custa caro”.

“A única coisa que oriento é no sentido de tentar eliminar tudo que não gosta e, dentro das possibilidades que sobraram, ser o mais generalista possível. Se quer design, faça arquitetura”.

Andrade ainda disse que o aluno vai aprender a gostar do que faz. De que maneira? “Fazendo o melhor possível. Porque começa a colher os frutos e a gostar”.