Empresas contratam por competências técnicas e demitem pelo comportamento

Personalidade do profissional pode determinar sua permanência na organização, uma vez conseguida a vaga

SÃO PAULO – O currículo é o cartão de visitas para os profissionais. É por meio dele que as empresas medem os conhecimentos técnicos dos candidatos. “Na era da revolução da informação, nada dá mais status que o conhecimento”, explica a psicóloga e diretora da Leme Consultoria, Marcia Vespa.

O problema é que quem contrata tende a dar importância excessiva às competências técnicas, deixando de lado as comportamentais.

“Muitas empresas reclamam de não encontrar profissionais que dominem suas tecnologias, muitas vezes muito específicas e únicas, e deixam de usar sua expertise para formar mão-de-obra. Então, o inevitável acontece: contrata-se pelo técnico e, em curto espaço de tempo, demite-se por conta de comportamentos incompatíveis com o negócio, a missão, a visão e seus valores”.

PUBLICIDADE

Marcia reitera que valores não são apenas palavras. “Os valores devem orientar o comportamento da equipe. Valores dão sentido e canalizam esforços para que as vitórias sejam coletivas. Pessoas que se orgulham do local onde trabalham percebem uma nítida convergência entre seus valores pessoais e os valores organizacionais”.

Peso do comportamento

Não é novidade para ninguém que o mercado de trabalho mudou. A consultora de Recrutamento e Seleção da Manager, Carolina Guedes, explica que o mundo dos negócios atual requer soluções mais ágeis, e com o menor custo possível, a fim de atender a uma demanda nacional e internacional.

A partir destas mudanças, surgiram inusitadas demandas por parte das empresas, que vão desde o conhecimento de novas tecnologias à facilidade de trabalho em equipe. Mas, além das competências técnicas, muitas empresas já estão procurando também profissionais com personalidade. Personalidade esta que, como já foi explicado, pode determinar a permanência de alguém na organização, uma vez obtida a oportunidade de fazer parte de seu quadro de funcionários.

“A capacidade de adaptação a diferentes equipes e culturas, a qual está relacionada também à disponibilidade para deslocar-se, é uma recente exigência das organizações. Ser adaptável também significa saber trabalhar em equipe”, afirma Carolina.

“Além disso, resiliência ou flexibilidade é uma das competências mais requisitadas, pois denota autoconfiança, o que ajuda a superar desafios e lidar com as pressões do dia-a-dia, explorando o melhor de cada situação”.

Iniciativa

A especialista acrescenta que, com a extrema complexidade da economia atual, os líderes querem ficar longe dos profissionais acomodados. “A iniciativa é a competência que representa a capacidade de identificar e buscar oportunidades de negócios”.

Ela confirma que houve uma significativa mudança no perfil dos profissionais procurados. “Nos últimos 20 anos, os empregadores passaram a buscar competências que vão além da formação, capacidade técnica e tempo de permanência nas empresas anteriores. São valorizadas as características como: excelente postura e comunicação, facilidade de relacionamento interpessoal, criatividade para promover melhorias e potencial para evolução”.

Como evitar a demissão

Uma das formas de evitar a demissão causada pelas competências comportamentais (ou pela falta delas), é sendo você mesmo durante o processo seletivo. Isso é muito difícil, uma vez que as já conhecidas fórmulas de entrevista, dinâmica em grupo e perguntas para lá de esperadas, geraram candidatos “pasteurizados”. O termo foi usado pela consultora do IDORT/SP, Elisabete Alves, durante entrevista cedida à InfoMoney.

Ela disse que, às vezes, as pessoas têm algumas dificuldades, e não sabem ao certo como se portar durante uma entrevista de emprego, as roupas que devem usar, ou qual é a entonação de voz mais adequada, por exemplo. Nesses casos, os cursos que ensinam como se dar bem em uma entrevista de emprego são válidos, e podem ajudar bastante.

“Mas o candidato não pode ser pasteurizado e responder exatamente o que o contratante quer ouvir”, alerta. “Nas perguntas típicas, como quais são suas três principais qualidades e três principais defeitos, por exemplo, conte de forma sincera quais são seus pontos fortes e as oportunidades de melhoria”.

Fuja das respostas prontas

O importante é ser espontâneo nas respostas. Em outras palavras, conte como deseja melhorar determinadas atitudes suas e não minta. A pena para quem tem as respostas prontas e não é autêntico é pesada. “Quando a pessoa não é espontânea, a situação pode piorar. Ela poderá, futuramente, ser demitida”. A lógica é simples: será vendido algo que não é verdadeiro, mas pelo qual o profissional será cobrado. A conclusão que se chega é que ser você mesmo é a melhor escolha!