AO VIVO Radar InfoMoney: Analistas dizem o que pode fazer o Ibovespa parar de “andar de lado”; assista ao programa desta sexta

Radar InfoMoney: Analistas dizem o que pode fazer o Ibovespa parar de “andar de lado”; assista ao programa desta sexta

Empresas brasileiras são as mais rápidas na contratação de executivos, diz pesquisa

Levantamento comparou processos seletivos de 13 países. No Brasil, 72% das contratações ocorrem em até três semanas

SÃO PAULO – O processo de contratação de executivos brasileiros é o mais rápido na comparação com 12 países. É o que aponta um levantamento realizado pela Robert Half, que teve a participação de 2.819 executivos de média e alta gerência.

Foram analisados os processo seletivos dos seguintes países: Áustria, Bélgica, Brasil, República Tcheca, Dubai, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Espanha, Suíça e Holanda.

A pesquisa aponta que 72% dos processos seletivos brasileiros acontecem entre duas e três semanas, enquanto nos outros países a seleção, em sua maioria, pode chegar a até cinco semanas.

PUBLICIDADE

Entrevistas
No Brasil, são necessárias de duas a três rodadas de entrevista antes de contratar um profissional, a mesma média mundial. Além disso, em todo o mundo, as empresas demoraram no máximo dez minutos para analisar um currículo.

“No Brasil, o aquecimento do mercado faz com que as empresas tenham pressa para contratar e busquem qualidade de liderança e de trabalho de equipe. Esse é um forte sinal de que a expansão das empresas impacta diretamente na forma com que elas contratam”, afirma o diretor de Operações da Robert Half, Fernando Mantovani.

Perfil dos profissionais
O estudo mostra ainda que o perfil dos profissionais desejados pelas empresas varia de acordo com o país. Os gestores brasileiros buscam pessoas com habilidade de trabalhar em grupo (47%) e liderança (22%).

Já países como a República Tcheca e Luxemburgo buscam profissionais com conhecimento do negócio em que a empresa atua (39%). Os holandeses, por sua vez, valorizam as habilidades de comunicação (35%).