Contratações

Empregos crescem 4,33% nos supermercados paulistas em janeiro, diz APAS

No entanto, mesmo com alta na contratação, muitos profissionais foram demitidos no mesmo período

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O setor supermercadista do estado de São Paulo empregou mais em janeiro deste ano. Com a contratação de 20.178 pessoas no período, os empregos no comércio varejista cresceram 4,33% em relação a 2012. As informações são do estudo desenvolvido pela APAS (Associação Paulista de Supermercados), divulgados nesta segunda-feira (4).

Na comparação com janeiro do ano passado, houve crescimento de 9% nas admissões e queda de 17,2% em relação dezembro. No entanto, mesmo com a alta na contratação, muitos profissionais foram demitidos no mesmo período. O índice de demissões apresentou crescimento de 11% em relação a janeiro de 2012, e elevação de 28,3% em relação dezembro.

“Como ocorre tradicionalmente no mês de janeiro, o número de admissões é inferior ao de demissões, visto que parte dos funcionários foram contratados para suprir a demanda das vendas de final de ano, movimento que se inicia em setembro e aumenta progressivamente até dezembro”, explicou a entidade.

Aprenda a investir na bolsa

Entre todos os comércios que a pesquisa abrange, desde supermercados a minimercados, os destaques do mês foram nos Supermercados e Hipermercados, que apresentaram alta de 3,9% na comparação com janeiro de 2012, com o total de 331.336 funcionários.

Resultados
O emprego formal no comércio varejista do setor de supermercados de São Paulo apresentou crescimento ao longo de 2012, de acordo com os dados disponíveis pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), por meio do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

A tendência em 2013 é que esse crescimento continue, informou a APAS. De acordo com a entidade, o setor supermercadista possui demanda elevada por mão-de-obra, principalmente de funcionários qualificados. “Há algumas áreas que estão mais carentes de colaboradores, como as operacionais. De todo modo, mesmo com a carência de mão-de-obra qualificada o setor tem contratado em patamar superior a outras atividades econômicas”.