RADAR INFOMONEY Programa desta quarta fala sobre a fusão entre Localiza e Unidas e a disparada das ações do IRB - será que o jogo virou para a empresa na Bolsa?

Programa desta quarta fala sobre a fusão entre Localiza e Unidas e a disparada das ações do IRB - será que o jogo virou para a empresa na Bolsa?

Emprego no exterior: dólar baixo faz trabalho no Brasil compensar para executivos

Porém, mesmo sem sobrar tantos reais no final da viagem, para jovens, trabalhar em outro país é uma ótima experiência

SÃO PAULO – O dólar tem sofrido diversas quedas frente ao real. Para se ter uma idéia, a moeda norte-americana sofreu forte baixa de 16,9% no ano passado, na comparação com 2006. Diante deste cenário, ainda vale a pena ir trabalhar fora do Brasil, em países em que a moeda é usada?

Segundo o Líder da Prática de Consultoria de Remuneração e Recompensas Totais da Hewitt Associates, Renato Rovina, existem duas coisas que precisam ser analisadas: a situação econômica pessoal e o desenvolvimento de carreira. “Para os mais jovens, ainda vale a pena ir trabalhar lá fora, já que muitos deles não têm despesas muito grande no Brasil”, disse.

Por isso, o dinheiro que ganhará lá fora poderá ser suficiente para se sustentar, sem ter que fazer remessas ao Brasil. Ainda para este tipo de profissional, Rovina disse que a viagem não deve ser vista como uma oportunidade de fazer um “pé-de-meia”, já que, com o dólar desvalorizado, sobram menos reais. “Mas uma carreira internacional é inigualável”.

Nível executivo

PUBLICIDADE

Já para os profissionais em nível executivo, que possuem família no Brasil, ele afirmou que os ganhos na moeda norte-americana podem não ser suficientes para manter a casa, os filhos, além das despesas no país estrangeiro. “Ele ganha dinheiro lá, mas não cobre as despesas que tem aqui”, explicou.

Por isso, a negociação com a empresa sobre trabalhar em outro país deve ser feita com cuidado. “Os salários em reais já estão equiparados com os salários em dólar. Se você converter as moedas, já estará no mesmo patamar”, disse Rovina.

A ida ao exterior, porém, deve ser levada em consideração pelos profissionais de nível médio, que ocupam um cargo de supervisão e identificaram que a empresa para a qual trabalham valoriza a experiência e que a concorrência está muito forte. “Eles ainda devem ponderar o lado pessoal, como os filhos e o cônjuge”.

Vinda ao Brasil

Mesmo sendo a favor de uma experiência internacional para o desenvolvimento da carreira, Rovina confirma que o Brasil está passando por um bom momento econômico e, por isso, muitas oportunidades estão surgindo. Os profissionais que, outrora, não perdiam a oportunidade de sair do país, agora, querem voltar.

“O Brasil está atraente para os profissionais. Tem alguns mercados bastante aquecidos, como de TI, o financeiro e o da construção civil. Não é difícil trazer estrangeiros. Eles até estão interessados. Mas, para as empresas, é caro”.

Rovina finalizou dizendo que este não deixa de ser um momento bom para os profissionais trabalharem no Brasil.