Emprego na indústria paulista diminuiu 1,81% em dezembro, aponta Ciesp

Por outro lado, em todo o ano de 2006, houve a contratação de 10.051 pessoas, o que significa um aumento de 0,52%

SÃO PAULO – As contratações da indústria paulista diminuíram 1,81% em dezembro, frente ao mês anterior. Conforme revela a pesquisa mensal do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) divulgada nesta quinta-feira (18), foram fechados 38.373 postos de trabalho.

Destaques entre os setores

Dentre os setores pesquisados, os destaques na diminuição de vagas no último mês de 2006 ficaram com os produtos alimentares (-7,69% e 23.037 vagas a menos), destilação de álcool de refino de petróleo (-15,88% e 4.630 postos) e confecção de artigos de vestuário e acessórios (-2,29% e 3.373 empregos).

Por outro lado, entre os destaques positivos do mês estão os segmentos de artefatos de couro e artigos de viagem (+1,63% e 367 vagas) e edição, impressão e reprodução de gravações (+0,28% e 221 empregos criados).

Análise regional

PUBLICIDADE

Na análise regional, o levantamento revela que Sertãozinho foi o município líder em demissões no mês de dezembro, com o decréscimo de 17,48% em sua mão-de-obra, seguido por Araçatuba (-15,14%) e Franca (-11,09%).

Na contramão dos resultados negativos, as cidades do interior paulista que mais contrataram no décimo segundo mês do ano passado foram São Carlos (+0,73%), Osasco (0,51%) e Marília (+0,21%).

Na Grande São Paulo, houve retração de 0,65% na criação do emprego industrial entre novembro e dezembro. Já no Interior do Estado, a queda foi mais acentuada, de 2,69%.

Acumulado do ano

Ainda de acordo com o Ciesp, o acumulado do ano de 2006 fechou com resultado positivo: foram 10.051 vagas criadas, o que representa um aumento de 0,52% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Os destaques ficaram com os municípios de Presidente Prudente (+15,58%), Sertãozinho (+8,40%), Rio Claro (+7,65%), Franca (-17,86%), Cotia (-4,50%) e São Bernardo do Campo (-4,28%). Na Grande São Paulo, houve queda de 1,16% nas contratações e no Interior, aumento de 1,69%.