Emprego na indústria paulista aumenta 0,28% em setembro, aponta Ciesp

O resultado é o segundo melhor nos últimos seis anos, perdendo apenas para setembro de 2004, quando a alta foi de 0,75%

SÃO PAULO – As contratações da indústria paulista cresceram 0,28% em setembro, frente ao mês anterior. Conforme revela a pesquisa mensal do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), divulgada nesta quarta-feira (18), 5.974 postos de trabalho foram criados.

E o resultado é o segundo melhor nos últimos seis anos, perdendo apenas para setembro de 2004, quando a indústria de transformação de São Paulo apresentou aumento de 0,75% na quantidade de empregos.

De acordo com o economista chefe do Ciesp, Carlos Cavalcanti, o índice positivo se deve às contratações temporárias para atender a demanda do mercado no final do ano a à recuperação do varejo.

Destaques entre os setores

PUBLICIDADE

Dentre os setores pesquisados, metalurgia, máquinas e equipamentos e confecções de artigos do vestuário geraram, juntos, 3.430 postos de trabalho.

Por outro lado, entre os destaques negativos estão os segmentos de artigos de borracha (-0,68%), produtos alimentares (-0,45%) e material de transporte (-0,07%).

Análise regional

Na análise regional, o levantamento revela que Presidente Prudente foi o município líder em contratações no mês de setembro, com o incremento de 1,41% em sua mão-de-obra, seguido por Matão (1,18%) e Marília (1,02%).

Na contramão dos resultados positivos, as cidades que mais demitiram no oitavo mês do ano foram Franca (-2,92%), Osasco (-1,04%) e Cotia (-0,92%). A capital paulista, por sua vez, aumentou seus postos de trabalho em 0,24%, na comparação com agosto.

Expectativas

De acordo com o diretor do departamento de economia do Ciesp, Boris Tabacof, mesmo positivo, o resultado não significa uma retomada do crescimento e a expectativa é que o nível de emprego na indústria feche o ano com uma alta entre 0,47% e 0,84%.

“A indústria paulista só está se levantando do tombo que levou no primeiro trimestre do ano. Em 2006, o emprego industrial paulista literalmente patinou”, destacou Tabacof.