AO VIVO Radar InfoMoney: Bancos disparam na Bolsa com dados de crédito e HSBC saltando no exterior; assista ao programa desta segunda

Radar InfoMoney: Bancos disparam na Bolsa com dados de crédito e HSBC saltando no exterior; assista ao programa desta segunda

Emprego industrial cresce 0,3% em outubro; alta é a quarta consecutiva

De acordo com o IBGE, na comparação com o décimo mês de 2006, a elevação atingiu 3,4% e no acumulado do ano, 1,8%

SÃO PAULO – O emprego na indústria brasileira registrou o quarto resultado positivo consecutivo no décimo mês do ano. Na série livre de influências sazonais, houve um crescimento de 0,3% em outubro, na comparação com setembro.

De acordo com a “Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário”, divulgada nesta quinta-feira (13) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), frente ao décimo mês de 2006, a alta atingiu 3,4%, a maior desde de dezembro de 2004 (4,1%). Nos últimos doze meses, o crescimento é de 1,8% e no acumulado do ano, de 2%.

Comparação anual

Entre outubro de 2006 e deste ano, 11 das 14 localidades pesquisadas aumentaram seu contingente de trabalhadores, com destaque para São Paulo (5,4%), Paraná (4,6%) e Região Norte e Centro-Oeste (3,8%). Na outra ponta, Ceará (-1,9%), Espírito Santo (-2,9%) e Pernambuco (-0,4%) exerceram pressão negativa.

PUBLICIDADE

Entre os setores, houve 12 altas – sobretudo em alimentos e bebidas (4,1%), meios de transporte (11,2%), máquinas e equipamentos (10,9%) e produtos de metal (9,2%) – e 6 quedas, cujo destaque continua sendo do ramo de calçados e artigos de couro (-9,3%).

Acumulado do ano

De janeiro a outubro, enquanto São Paulo (3,2%), Paraná (2,7%) e Região Nordeste (1,5%) exerceram os impactos positivos mais significativos, o Rio Grande do Sul é o único local que teve queda, de 0,3%.

Por fim, o IBGE aponta alta no setor de alimentos e bebidas (4,3%), meios de transporte (6,8%), produtos de metal (6,8%) e máquinas e equipamentos (6,3%). Em sentido contrário, as principais contribuições negativas vieram de calçados e artigos de couro (-7%) e vestuário (-3,9%).