Emprego: com 131,5 mil novas vagas, maio registrou quarta alta consecutiva

Nos cinco primeiros meses do ano, foram contratados 6,568 milhões, e outros 6,388 milhões foram demitidos

SÃO PAULO – Com a criação de 131.557 postos de trabalho, o emprego formal cresceu 0,41% em maio em relação ao mês anterior. Este é o melhor resultado mensal deste ano e é a quarta alta consecutiva.

Os dados fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgado nesta segunda-feira (22) pelo Ministério do Trabalho.

O número de desligamentos foi de 1,217 milhão no quinto mês do ano, enquanto que foram registradas 1,348 milhões de admissões, registrando um saldo positivo de 131.557 vagas.

PUBLICIDADE

Na análise dos cinco primeiros meses do ano, também verificou-se expansão, de 0,56%, com saldo positivo de 180.011 postos de trabalho. Esse saldo é resultado da diferença entre o número de admissões (6.568 milhões) e o número de desligamentos (6.388 milhões) do período.

Nos últimos doze meses, o saldo também foi positivo, de 1,84%, com acréscimo de 580.269 postos de trabalho.

Crescimento setorial

Na análise mensal, dentre os oito setores de atividades econômicas, nenhuma atividade apresentou saldo negativo na oferta de trabalho. “É a primeira vez este ano que todos os setores da economia em todas as regiões do país apresentam saldo positivo de emprego”, afirmou o ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi. “É a prova de que a recuperação está acontecendo de forma coerente, permanente e segura”.

O setor de Agropecuária é o que apresentou a maior variação em maio, com saldo positivo de 52.927 postos de trabalho (+3,34%) em maio. Esse resultado, segundo o ministério, está mesclado por variações de cunho sazonal (cultivo da cana e café no Centro-Sul do país) e conjuntural, que possibilitaram a continuidade do processo de recuperação iniciado em fevereiro.

O Comércio também demonstrou recuperação, embora pequena. Após quatro meses de resultados negativos, e uma variação positiva em abril (+0,08%), o setor volta a mostrar fôlego com saldo positivo de 14.606 vagas (+0,21%). O contingente de assalariados com carteira assinada na Administração Pública obteve uma expansão de 0,18%, resultante da geração de 1.451 postos de trabalho.

O setor de Serviços obteve expansão de 0,34% com a criação de 44.029 postos de trabalho, o quinto maior saldo da série para o período, impulsionado principalmente pelos ramos de Serviços de Alojamento, Alimentação e Reparação (+16.140), Serviços de Comércio e Administração de Imóveis (+8.582) e Serviços de Ensino (+7.656 postos), bem como os Médicos e Odontológicos (+7.335).

A Construção Civil, por sua vez, teve o segundo melhor saldo em toda a série da pesquisa, para o período, o melhor desempenho de 2009, e o quinto crescimento consecutivo do setor, com a geração de 17.407 postos (+0,87%).

Entre as atividades que apresentaram pequenas variações, a de Transformação é a que se destaca. O setor apresentou saldo positivo de 700 vagas e demonstrou relativa instabilidade no mês passado, frente a abril, registrando uma variação de 0,01%.

Já os setores da Indústria Extrativa Mineral, com 171 empregos gerados, e o setor de Serviços Industriais de Utilidade Pública, com saldo positivo de 266 vagas, também apresentaram uma margem de crescimento pequena, de 0,10% e 0,07%, respectivamente.

Análise regional

Ainda segundo os dados do Caged, na análise regional, todas as regiões apresentaram incremento no número de vagas de trabalho, exceto Belém, que registrou saldo negativo de -0,12%, e demitiu 324 trabalhadores.

No conjunto das nove áreas metropolitanas, o nível de emprego apresentou variação positiva de 0,25% no mês passado, com a geração de 34.202 postos de trabalho.

Dessa vez, Fortaleza (+0,41%) e Curitiba (+0,47%) lideraram as maiores variações no período e criaram 2.580 e 4.108 vagas, respectivamente. No entanto, novamente, São Paulo (+13.049 postos) e Belo Horizonte (+4.897) foram as regiões metropolitanas que mais empregaram em maio.

Entre as regiões do país, nenhuma apresentou variação negativa na taxa de empregabilidade, sendo que a maior taxa positiva veio da região sudeste (+0,56%), onde 100.020 postos de trabalho foram criados.

A região Sul foi a que apresentou a menor variação no período (0,09%), com a criação de 7.233 vagas, ao passo que a região Norte foi a que menos gerou vagas, frente as demais. Foram criadas 5.039 vagas no período (+0,39%).

PUBLICIDADE