Em tempos de Ronaldinho Gaúcho, o que o esporte pode ensinar para a carreira?

Habilidades que hoje são essenciais no mundo corporativo são muito bem desenvolvidas por atletas, diz especialista

SÃO PAULO – Todos acompanharam a crise envolvendo o atleta Ronaldinho Gaúcho e o clube carioca Flamengo, sendo que o episódio é um exemplo negativo quando o assunto envolve esportes e carreira. Entretanto, de acordo com a Adecco, o esporte tem muito a ensinar para líderes e empresas.

“Habilidades que hoje são essenciais no mundo corporativo, como resiliência, confiança, capacidade de gestão do tempo, entre tantas outras, são muito bem desenvolvidas por qualquer atleta. São características que podem ser muito bem aproveitadas pelas empresas”, ressalta o vice-presidente & CFO para América Latina da Adecco, Paulo Canôa.

Além disso, destaca o técnico da Seleção Masculina de Basquete, Gustavo De Conti, que participou de debate realizado pela Adecco sobre o assunto, tratamento igualitário, motivação, senso de justiça e de reconhecimento, bem como transparência no fluxo de informações, são outros aspectos importantes que o esporte pode levar às empresas.

PUBLICIDADE

“Às vezes as empresas não reconhecem o trabalho do pessoal de apoio, por exemplo, não conseguem perceber a importância do trabalho em equipe. Uma empresa, assim como um time, deve estar atenta a todos os funcionários, pois cada um tem um papel muito importante no conjunto”, diz De Conti.

Química
Outro ingrediente fundamental tanto para o esporte, como para o mundo corporativo, é a química.

Na opinião do presidente para a América Latina da Goodyear, Jaime Cohen Szulc, “é essencial que exista química entre o funcionário e a empresa, que tem a responsabilidade de motivar os funcionários, mantendo acesa a paixão inicial”.