Em meio à indefinição sobre Enem, candidatos devem manter foco nos estudos

Muitos estudantes que prestaram o exame estão passando por momentos de ansiedade e desgaste emocional, diz psicólogo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Diante da indefinição sobre a aplicação ou não de uma nova prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), muitos estudantes que prestaram o exame estão passando por momentos de ansiedade e desgaste emocional.

Para o psicólogo da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Fernando Elias José, mesmo com este problema, o vestibulando deve manter sua rotina de estudos. 

“O Enem deveria ser algo extremamente sério e importante na vida dos estudantes. Tenho encontrado desde segunda-feira [8] candidatos nervosos, ansiosos, preocupados quanto ao que vai acontecer. É importante que eles continuem estudando pois o exame é uma etapa, e outras avaliações virão pela frente”, avaliou, em entrevista à Agência Brasil.

Aprenda a investir na bolsa

O especialista disse ainda que essas indefinições provocam perda de foco nos estudantes. Algumas dificuldades de concentração e continuidade do ritmo de estudo podem ser geradas. “Essa ansiedade está aflorada neste momento pelo fato de não se saber o que vai acontecer, e como vai ficar a situação desses estudantes”, afirmou.

Respeito
José sustenta que a anulação da prova é um ato de respeito às emoções dos estudantes, assim como a todas as pessoas envolvidas com essa questão neste momento. “Acredito que tanto o governo quanto a Justiça irão respeitar o estudante e levar essa questão em consideração”. 

Mesmo com o problema gerado por irregularidades na prova, o psicólogo afirma que muitas universidades ainda usam a nota do Enem como forma de ingresso.

“Eu acredito que várias faculdades irão rever isso, principalmente as particulares que usam apenas uma porcentagem da nota, mas creio que algumas faculdades federais continuem com esse método de avaliação, o que deixa o estudante dependente dessa prova”. 

Justiça
Segundo informações da Polícia Federal, não será aberto inquérito policial para apurar possíveis irregularidades com a redação do exame em Juazeiro (BA). Para o órgão, não existem, até o momento, informações suficientes para fundamentar a investigação.

Na terça-feira (9), o delegado responsável pelo caso em Juazeiro, Alexandre Lucena, disse à Agência Brasil que a Polícia Federal no município investigava o vazamento e que o inquérito oficial seria aberto hoje (10). Conforme informou o delegado, um grupo de pelo menos 30 estudantes teve acesso ao tema antes da prova.

PUBLICIDADE

A história veio à tona quando um professor de um curso preparatório de Petrolina (PE) revelou a uma emissora de TV da região que um grupo de estudantes o procurou horas antes do início das provas contando que sabiam qual era o tema da redação.