Eike Batista aparece em lista dos 50 nomes mais influentes em Finanças Globais

O Ranking é da revista Bloomberg Markets, que pontuou o fato de Eike ter apostado na fome chinesa pelos recursos naturais brasileiros

SÃO PAULO – No mundo das finanças globais, o presidente do Grupo EBX, Eike Batista, foi o único nome brasileiro a integrar a lista dos 50 executivos mais influentes do mundo, segundo o ranking elaborado pela revista Bloomberg Markets. 

Ao citar o nome de Eike, que está atualmente com 54 anos, a revista pontuou que o presidente do Grupo EBX se tornou o homem mais rico do Brasil apostando na insaciável fome chinesa pelos recursos naturais brasileiros. 

Eike e China
O estudo ainda destacou que Eike está construindo uma “estrada para China”, através do porto de Açu, com o objetivo de exportar o óleo e o minério de ferro que suas empresas produzem. O Grupo EBX, que Eike comanda, controla as empresas OGX, de petróleo, LLX, de logística e MMX, de mineração, todas listadas na Bovespa. 

PUBLICIDADE

Os 50 nomes que entraram para a lista foram separados entre cinco categorias, todas com foco em finanças, sendo elas: ‘formuladores de políticas’, ‘banqueiros’, ‘gestores de dinheiro’, ‘inovadores corporativos’ e ‘pensadores’. 

Eike entrou na categoria ‘inovadores corporativos’, dividindo a lista com nomes como o CEO (Chief Executive Officer) da General Eletric Co, Jeffrey Immel; o CEO da Apple, Steven Jobs; e o Chairman da Reliance Industries Ltd, Mukesh Amban. 

Influência
Segundo a revista, os nomes selecionados foram os de pessoas que mais importam nas finanças globais, aqueles homens ou mulheres cujos comentários podem mexer com o mercado, cujos negócios definem o valor das empresas, cujas ideias ou políticas definem as corporações, os governos ou a economia. 

Ainda foram considerados os nomes que impactam o mercado neste momento e não aqueles que já foram influentes ao longo de uma carreira, apesar de que alguns dos selecionados se enquadram em ambos os critérios. 

A revista ainda destacou que influência não é algo que possa ser medido por um critério único e, por isso, foram utilizados vários critérios. A seleção foi realizada a partir de uma sondagem da rede global de repórteres e editores da Bloomberg News, localizados em 146 agências.