Em carreira / educacao

Taxação de grandes fortunas e IR Progressivo devem custear ensino público, dizem deputados

Opinião foi apresentada durante debate a respeito da cobrança de mensalidade em universidades públicas  

biblioteca FEA USP
(USP Imagens)

SÃO PAULO – No lugar de cobrar mensalidade para famílias de alta renda em universidades, a solução para o ensino público seria taxar grandes fortunas e a aplicação de Imposto de Renda progressivo, defenderam deputados nesta terça-feira.

A opinião foi apresentada durante debate a respeito da cobrança de mensalidade em universidades públicas, que ocorreu na manhã do dia 22. Essa cobrança, apenas para famílias de alta renda, teria intuito de aumentar a distribuição da renda voltada à educação entre instituições de ensino básico, médio e superior, melhorando assim a educação pública no país.

“Cobrar uma mensalidade igual à do ensino médio é desconhecer a realidade dos pais dos alunos, por isso eu defendo taxar grandes fortunas e a progressividade do Imposto de Renda”, disse o deputado Flavinho (PSB-SP), na ocasião.

O deputado Glauber Braga (Psol-RJ) defendeu a gratuidade, e apontou um efeito colateral que a cobrança do ensino superior provoca em outros países, como Estados Unidos e Chile. “No Chile, 37% dos jovens estão endividados. E 50% das dívidas são com educação, o que só beneficia o sistema financeiro”, disse.

No Chile, a gratuidade do ensino superior foi aprovada para a partir de 2016. Os planos são atingir todos os alunos da rede pública até 2020.  

Para Pedro Uczai (PT-SC), a cobrança não é garantia de aumento do financiamento das universidades públicas. “Se o rico pagar mensalidade, em pouco o tempo o governo vai deixar de colocar dinheiro público nas universidades públicas”, opinou. “É melhor e mais honesto dizer logo que é favorável à privatização das universidades”, disparou, em seguida.

O deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) rebateu o argumento. “Querem desviar o debate para a privatização, mas precisamos fazer este debate. Todas as alternativas de arrecadação têm que ser avaliadas, seja através do pagamento de mensalidades, seja por meio de reforma tributária, mas para financiar o ensino básico”, disse.

Com Agência Câmara

 

Contato