DO ZERO AO TOPO ESPECIAL Guilherme Benchimol compartilha lições sobre como atrair boas pessoas e criar times excepcionais; assista à live

Guilherme Benchimol compartilha lições sobre como atrair boas pessoas e criar times excepcionais; assista à live

vazou na web

E-mails revelam cartel de funcionários entre Apple, Google e outras de tecnologia

Em uma troca de e-mail entre Steve Jobs e Sergey Brin, Jobs ameaça 'começar uma guerra' se o RH do Google sondasse funcionários da Apple

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O site PandoDaily divulgou nesta semana documentos que comprovam práticas de cartel de contratação de funcionários entre grandes empresas de tecnologia nos Estados Unidos, como Apple, Google, Microsoft e eBay.

Os documentos mostram trocas de e-mails entre grandes executivos das empresas sobre suas “políticas” de processos seletivos.

O cartel secreto começou com um acordo entre Steve Jobs, da Apple, e Eric Schmidt, do Google, que fixaram regras ilegais sobre a contratação de profissionais do mercado de tecnologia para evitar “roubo” de funcionários e fixar salários no setor. No total, o acordo envolvia mais de um milhão de funcionários.

Aprenda a investir na bolsa

Entre diversos e-mails que comprovam o cartel de funcionários dessas empresas, em 2005, Jobs ameaçou “começar um guerra” se Sergey Brin, do Google, recrutasse algum funcionário da Apple. “Se você contratar uma única pessoa da equipe, isso significa guerra.”

Em outro e-mail datado em 2007, Jobs pede a Eric que o departamento de recrutamento do Google parasse de sondar seus funcionários. No mesmo dia, Eric respondeu ao fundador da Apple, afirmando que a pessoa responsável pelo RH (e por fazer uma proposta de emprego para o funcionário da Apple) seria demitida.

Os documentos divulgados no site também revelam a mesma prática entre Schmidt e a então CEO do eBay, Meg Whitman. Em setembro de 2005, Meg reclamou com o executivo que seus recrutadores estavam atrapalhando os lucros e os negócios no eBay. Poucas semanas depois, o eBay foi colocado no topo da lista das empresas que não poderiam ser sondadas pelo RH do Google.