E-mail: ferramenta é eficiente, mas não substitui contato pessoal

Um mal entendido pode começar por um e-mail; afinal, "tom" dado para a conversa eletrônica pode ser interpretado de várias formas

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A rotina é natural: você chega no escritório e abre seus e-mails para verificar se há alguma nova pendência, solicitação/reclamação do cliente ou pedido do seu chefe.

Entretanto, ao abrir a mensagem, seu coordenador lhe envia um pedido, que você, com vários problemas pessoais, já leva ao pé-da-letra como tremenda bronca. Pronto! Está armada a primeira confusão do seu dia que, com uma boa conversa, poderia ser evitada!

Não se acomode com os e-mails

A oportunidade de mandar e receber mensagens com tanta praticidade vicia, não há a menor dúvida.

Aprenda a investir na bolsa

Porém, independente da sua área de atuação, é preciso manter a sensibilidade apurada para perceber em que momentos você deve usá-lo, e quando é melhor partir para o “olho no olho”.

Existem situações em que o contato direto é extremamente necessário, onde o envio de e-mails pode só atrapalhar: dependendo da situação, críticas a um funcionário, opiniões sobre determinado assunto e esclarecimentos de dúvidas, por exemplo, devem ser transmitidos pessoalmente.

Olho no olho

É claro que, para tudo, existe bom senso. Não é necessário visitar o seu cliente toda semana, ou ligar para ele todas as manhãs. Trata-se, sim, de conhecê-lo melhor e perceber quando algo poderá deixar margem de dúvida, caprichando então no contato!

Nestas situações, apele para a conversa direta. O mesmo acontece em sua equipe: salvo pela falta de tempo ou divergência entre turnos de trabalho, opte pelo comunicado pessoal: seu funcionário poderá perceber melhor a importância do assunto, sentindo o seu tom de voz e a sua fisionomia. Experimente!

Negociação

No caso de negociações comerciais, busque o contato pessoal, mas formalize as decisões por e-mail. Desta forma poderá ter tudo documentado, com a possibilidade de consultar e esclarecer dúvidas sempre que necessário.

Atenção ao tom: é muito comum as pessoas apresentarem com menos restrições e formalidade os assuntos por e-mail do que pessoalmente. Portanto, muito cuidado para não escrever mais do que deve!

PUBLICIDADE