Dor de cabeça: saiba qual é a relação desse mal com o trabalho

Algumas situações causam dor de cabeça, como privação do sono, má alimentação, estresse físico ou emocional

SÃO PAULO – “A enxaqueca acomete 30% da população mundial. Outro tipo de dor de cabeça bastante comum é a cefaléia tensional, que pode ser tornar crônica”, explica o neurologista do Hospital e Maternidade São Camilo, unidade da Pompéia, Denis Bichuetti. No caso da cefaléia, ao contrário da enxaqueca, a pessoa não sente ânsia de vômito nem tem sensibilidade ao barulho.

Indivíduos que sofrem de hipertensão arterial, diabetes, doenças pulmonares mal controladas, como bronquite, e problemas de pressão são propensos a ter dor de cabeça. No entanto, há algumas situações que também causam as dores, como privação do sono, má alimentação, estresse físico ou emocional.

Por exemplo, pessoas sedentárias, com problemas em casa ou no trabalho, que sofrem de ansiedade ou depressão podem ter dor de cabeça. Os sintomas mais comuns são sensação de peso em um dos lados da cabeça, ou nos dois lados, na nuca, sensibilidade à luz e ao barulho, irritabilidade e ânsia de vômito.

Ambiente

PUBLICIDADE

Às vezes, a causa da dor de cabeça é o ambiente de trabalho. Lugares pouco iluminados, muito quentes ou excessivamente frios, má limpeza do ar-condicionado e cadeiras mal posicionadas em relação às mesas são um convite às dores. Além disso, a má postura causa problemas musculares que, por sua vez, causam dor de cabeça.

O médico diz que aqueles profissionais que precisam usar óculos, mas não usam, podem ter dor de cabeça, não por conta dos problemas de visão em si, mas porque eles costumam, por exemplo, curvar as costas e os ombros para enxergar melhor a tela do computador, e a má postura é uma causa das dores. Ele revela que a dor de cabeça causada pelos problemas visuais é mais um folclore do que verdade.

As implicações são muitas: faltas no trabalho, redução da produtividade, performances ruins em reuniões e apresentações e pouca concentração. “É um problema de tempo. A pessoa fica mais tempo com a dor de cabeça e menos com o trabalho”, contrapõe Bichuetti.

Alerta

O neurologista avisa que o consumo de analgésicos causa dor de cabeça. “Quem toma mais de cinco comprimidos por semana pode ter dor de cabeça. O remédio para muitos pacientes é parar de tomar remédios.”

Mas a situação pode ser pior do que parece: “As pessoas que precisam tomar mais de cinco analgésicos por semana, que têm o sono interrompido, por conta da dor, perdem a força ou a coordenação motora e começam a ter visão dupla ou embaçada precisam procurar o médico com urgência”, diz.

O motivo é que esses são sinais de que a dor de cabeça tem causa neurológica, como um tumor, uma inflamação cerebral ou um aumento de pressão intracraniana. No entanto, a recomendação dele é sempre procurar o médico, mesmo que o indivíduo não registre nenhum sintoma mais severo.

“Se incomoda o dia-a-dia, procure um médico”, aconselha, ao lembrar que é importante todavia, começar por um neurologista, e não pelo clínico geral. “O médico especialista pode dizer em apenas uma consulta se o caso é grave, e indicar os exames.”

Dicas para não ter dor de cabeça

As recomendações do neurologista para evitar a dor de cabeça são:

  • Durma de seis a oito horas por noite;
  • Faça cinco refeições ao dia;
  • Pratique atividades físicas entre três e quatro vezes por semana;
  • Conte com o suporte emocional das pessoas a sua volta.