Diante de uma redução da jornada de trabalho, como o profissional deve agir?

Para consultor, é preciso manter a produtividade registrada antes, apesar de a jornada de trabalho ser menor

SÃO PAULO – Em tempos de crise financeira, algumas empresas podem adotar a redução
da jornada de trabalho, dada a queda da demanda. Diante deste cenário, como o profissional deve se comportar? O que pensar, neste momento difícil?

“Esta medida da empresa possui dois lados para o profissional: o primeiro é que ele tem de ficar animado, pois a companhia está tomando medidas para manter o seu quadro de funcionários, o que mostra uma preocupação com a equipe. Entretanto, fica ligado o sinal amarelo, ou seja, há um risco de desemprego e, por isso, o colaborador precisa estar preparado”, comentou o presidente da Curriculum.com.br, Marcelo Abrileri.

Como agir?

Se o profissional exerce uma função relacionada à geração de receita da empresa, o consultor ressalta que esta é a hora de ele ser mais proativo. “Tente encontrar novos negócios, dedique-se à sua função, para ajudar a empresa a sair deste momento delicado”.

PUBLICIDADE

Já para aqueles que não atuam na área de captação de recursos, Abrileri destaca que é preciso contribuir com ideias que reduzam os custos da companhia. “Faça o possível para reduzir os seus gastos na empresa e também tente sensibilizar os seus colegas para aderir a esta atitude”.

O consultor declara ainda que, neste momento, todos os membros da equipe precisam tentar manter o ritmo de produção que tinham antes, apesar de a jornada ser menor.

Procurar outro emprego?

Como existe uma possibilidade de perder o emprego, o profissional precisa tomar algumas medidas, entre elas, verificar o seu nível de empregabilidade e fazer uma reserva financeira.

“Em casa, a pessoa deve diminuir os gastos, ou seja, cortar despesas supérfluas e já criar uma poupança para o eventual desemprego. Além disso, o profissional precisa se preocupar com a sua recolocação no mercado de trabalho”.

Para Abrileri, este é o momento de atualizar o currículo e checar o nível de conhecimento técnico. “Você precisa se atualizar profissionalmente. Por exemplo, caso você tenha um segundo idioma, veja a possibilidade de melhorar a sua fluência. Faça tudo para aumentar a sua empregabilidade e comece a sondar o mercado”.

Propostas

Ao receber uma proposta de emprego neste período, o profissional precisa comunicar ao seu gestor. “Seja sincero com o líder. Fale que você só pensou em aceitar a proposta devido ao momento de dificuldade financeira que a empresa está passando”.

Dessa forma, o líder vai indicar o seu posicionamento, como apoiá-lo nesta decisão ou afirmar que o seu emprego está garantido e que a empresa já superou este momento.

Abrileri finaliza enfatizando que o profissional não pode deixar a empresa na mão. “Se a melhor opção foi aceitar a proposta, a pessoa deve ficar um tempo na empresa para que esta se organize”.