Dia das Mães deve abrir 26 mil vagas temporárias em todo o Brasil

Proximidade com a Páscoa fez com que muitos contratos fossem mantidos para suprir aumento da demanda também para o período

SÃO PAULO – O Dia das Mães é considerado a segunda maior data comemorativa do comércio, perdendo apenas para o Natal. Neste ano, é estimado que, no período, sejam abertas 26 mil vagas temporárias, o que representa alta de 11% ao serem comparadas com as do ano anterior.

Os dados fazem parte de levantamento divulgado na terça-feira (13) pela Asserttem (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e de Trabalho Temporário).

Neste ano, a proximidade com a Páscoa fez com que muitos contratos fossem mantidos, para suprir o aumento da demanda também no Dia das Mães. No total, são 65 mil profissionais temporários em atividade para o Dia das Mães. Destes, 39 mil são remanescentes. A entidade acrescenta ainda que 10% dos temporários devem ser efetivados.

PUBLICIDADE

Setores que mais contratarão
Os setores que mais se destacam no período do Dia das Mães são vestuário, acessórios, perfumaria e aparelhos eletroeletrônicos. Para o presidente da Asserttem, Vander Morales, a linha de televisores também deve aumentar consideravelmente as vendas e, como consequência, as contratações temporárias por conta da Copa do Mundo.

As vagas no comércio para a data comemorativa serão abertas, principalmente, para as funções de atendimento, crediário, vendas, reposição, promotor de vendas, fiscal de loja e fiscal de caixa. A remuneração média ficará em torno de R$ 745, numa faixa que oscila entre R$ 510 e R$ 980, com direito a benefícios como vale-transporte e vale-refeição.

As mulheres representarão 45% das contratações temporárias. Em relação à faixa de idade, 65% das vagas deverão ser preenchidas por profissionais entre 18 e 39 anos. Como pré-requisito, é necessário ter Ensino Médio completo, criatividade, organização e bom relacionamento com o público. Não é necessário ter experiência anterior.

“Jovens em situação de primeiro emprego deverão representar 23% dos contratos”, afirma a diretora de Comunicação da entidade, Jismália de Oliveira Alves.