Calculadora

Desigualdade: saiba quanto tempo você deve trabalhar para ganhar o salário de um multimilionário

A Calculadora da Desigualdade, criada pela Oxfam e a agência Ojo Público, mostram em qual grupo e classificação você está em relação às demais pessoas do Brasil e América Latina

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Um brasileiro que tem apenas um salário mínimo (R$ 880) como renda mensal teria que trabalhar por 43 anos para ter ganhar o salário de um cidadão de classe altíssima, segundo cálculo feito pela Calculadora da Desigualdade, desenvolvido pela Oxfam em parceria com a agência de jornalismo Ojo Público. No inverso da conta, descobre-se que um multimilionário ganharia um salário mínimo em menos de uma hora e meia de trabalho.

A calculadora utilizou dados da CEPAL (Comissão Econômica para América Latina e Caribe) e relatórios do Credit Suisse para fazer tais cálculos. Ela consegue comparar a renda mensal dos cidadãos de 16 países da América Latina, incluindo o Brasil, por grupos separados por renda.

Para calcular em qual posição da pirâmide da desigualdade você está em relação aos demais cidadãos da América Latina, basta escolher seu país, informar sua renda familiar mensal e quantas pessoas dependem desse valor. Assim, você também descobre por quanto tempo grupos mais pobres deveriam trabalhar para ganhar o mesmo que você faz em um mês — e quanto você deve trabalhar para ganhar o mesmo que os demais grupos.

PUBLICIDADE

Faixas de renda
São consideradas dez faixas de renda. Levando em conta que são 260 milhões de habitantes no Brasil, cada grupo representaria 20 milhões de pessoas.

O primeiro deles, que representa a classe de renda mais baixa, leva em conta uma renda familiar de R$ 0 a R$ 232. O segundo, entre R$ 232 e R$ 386. Cerca de 80% da população, que se encaixam nas oito primeiras faixas, tem renda mensal menor que R$ 1,7 mensais.

Segundo dados do IBGE, a renda média no Brasil é de R$ 1.052, valor que se encaixa no sétimo grupo de renda. Entretanto, 10% da população tem renda mensal superior a R$ 2,6 mil por pessoa da família – ou seja: no caso de uma família de quatro pessoas, a renda seria de R$ 104 mil mensais.

Os demais 10% se encaixam na faixa de Renda Alta, cuja renda familiar é entre R$ 2,6 mil e R$ 454 mil.

O grupo dos multimilionários, que representam 0,002% da população brasileira, não se encaixam nos dez grupos por representarem uma parcela pequena da população. Sua renda mensal é superior a R$ 452 mil por mês, o que faz com que eles concentrem valor correspondente a cerca de 37% do PIB em riquezas.

“A calculadora escancara a desigualdade e a segmentação da sociedade em que vivemos”, diz Katia Maia, diretora executiva da Oxfam Brasil. “Esses números nos permitem não apenas comparar os ganhos nas diferentes faixas de renda da população, como também lembrar que a concentração da riqueza vai de mãos dadas com a concentração de poder e, portanto, afeta a qualidade de nossas democracias porque perverte as instituições e processos políticos, submetendo-os para servir os interesses da elite, não da cidadania.”