Desequilíbrio, arrogância? Saiba como lidar com os piores defeitos dos líderes

Se o defeito do seu líder é o famoso desequilíbrio emocional, o conselho é: não leve para o lado pessoal!

SÃO PAULO – Recentemente, uma pesquisa realizada pela Robert Half identificou os piores defeitos dos líderes. Na ocasião, o desequilíbrio emocional e a arrogância foram os mais citados, com 26,1% e 18,9% das respostas, nesta ordem.

Na tentativa de ajudar quem sofre com chefes que detêm tais defeitos, o diretor de recursos humanos e carreiras da Veris Faculdades, Marcos Vono, dá algumas dicas.

Desequilíbrio emocional
Se o defeito do seu líder é o famoso desequilíbrio emocional, para ser bem-sucedido no trabalho, Vono dá o seguinte conselho: não leve para o lado pessoal! Ou seja, saiba que aquilo não é com você. Caso perceba que o chefe está com o humor alterado espere o melhor momento para falar com ele.

PUBLICIDADE

Outro conselho importante para esse caso é observar o seu líder! Dessa forma, fica mais fácil saber qual é a melhor maneira de abordá-lo.

Arrogância
Quando o assunto é arrogância, o especialista sugere que o profissional tenha uma postura assertiva. Seja focado e traga bons resultados. Geralmente, isso acalma esse tipo de chefe e, com o tempo, ele se torna menos arrogante com este profissional.

“Procure fazer o trabalho da melhor maneira e se for argumentar, baseie-se sempre em dados e fatos”, ressalta Vono.

Centralização
A centralização é outro problema ainda muito recorrente entre aqueles que ocupam cargos de liderança. Normalmente, ele acontece porque estes líderes temem perder o posto ou acreditam que o trabalho não será realizado adequadamente.

Contudo, essa postura costuma trazer resultados negativos para a equipe. Assim, se o seu líder é um centralizador, não tenha medo de pedir informações. Pergunte o que ele espera, o que é prioridade e quando e como os trabalhos devem ser entregues.

Pesquisa
De acordo com a pesquisa da Robert Half, a centralização foi considerada o pior defeito dos líderes por 16,5% dos entrevistados.

PUBLICIDADE

Além dela, do desequilíbrio emocional e da arrogância, defeitos como apropriação de resultados, prepotência e mudança de estratégia também foram citados.