Desemprego na crise afetou mais os “não pobres”, revela Ipea

Entre os não pobres, desemprego cresceu 7,3%, passando de 4,1% em setembro de 2008 para 4,4% em julho deste ano

SÃO PAULO – Pesquisa realizada pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) revelou que o desemprego na crise afetou quem tinha maior renda.

De acordo com os dados, divulgados nesta terça-feira (22), a partir da contaminação da crise internacional no Brasil, que aconteceu em outubro do ano passado, a taxa de desemprego entre os “não pobres” aumentou 7,3%, passando de 4,1% em setembro de 2008 para 4,4% no mês de julho deste ano.

No mesmo período, a taxa de desemprego entre os pobres aumentou 6%, passando de 21,8% para 23,1%. Desta forma, a desigualdade entre as duas taxas de desemprego caiu levemente, de 5,3 vezes em setembro de 2008 para 5,2 vezes em julho deste ano.

Perfil do desemprego

PUBLICIDADE

Entre julho de 2002 e deste ano, a pesquisa mostra que a taxa de desemprego entre os pobres cresceu 10%, para 23,1%, enquanto a taxa para os não pobres aumentou 34,3%, para 4,4%.

De maneira geral, o desemprego concentra-se nos segmentos etários mais jovens, sobretudo aquele com 21 a 40 anos de idade, que compõem 59,9% dos não empregados em julho de 2009. Para os trabalhadores com mais de 41 anos de idade, a presença no total do desemprego das regiões metropolitanas ficou abaixo de 18% do total.

Quando feita uma análise por gênero, é interessante verificar que os homens eram 47,7% dos desempregados em julho de 2002, mas passaram a 44,8% no mesmo mês deste ano, o que mostra um aumento da participação das mulheres entre os sem emprego.

Em relação ao nível de escolaridade, o desemprego tem crescido entre aqueles com mais anos de estudo. Para se ter uma ideia, em julho de 2009, 56,1% dos desempregados no Brasil metropolitano tinham a partir de 11 anos de escolaridade, enquanto em julho de 2002 eles representavam menos de 36%.

Enfim, o estudo concluiu que o “desemprego está, com frequência, na origem dos fatores que geram pobreza no Brasil. O aumento da ocupação e da geração de renda é um fator determinante para diminuir o número de pobres. Apesar disso, no Brasil metropolitano, persiste a desigualdade entre os desempregados, exigindo maior e mais ampla ação por parte das políticas públicas”.