Crise perversa

Desemprego afeta um terço das famílias de renda mais baixa

Nos últimos dias, o cenário pessimista virou o cenário básico e nada garante que as projeções não possam piorar

arrow_forwardMais sobre
Desempregados e sem-teto recebem comida do projeto Covid Sem fome
(Bruna Prado/Getty Images) Desempregados e sem-teto recebem comida do projeto Covid Sem fome

Desde que começou a quarentena para combater o coronavírus, a diarista Izabel Cruz de Oliveira perdeu todas as faxinas que fazia durante a semana. Ela conseguia tirar R$ 800 por mês – dinheiro que bancava os três filhos, sendo o mais novo de um ano de idade. “Com a pandemia, fui dispensada de todas as casas.”

Hoje, sem trabalhar, ela vive de doações. O pai, aposentado, compra as fraldas do bebê e uma vizinha dá o leite. A igreja também ajuda com outros produtos, diz Izabel.

Ela mora numa invasão na zona leste de São Paulo, por isso, não paga água nem luz. “Nunca vi nada tão assustador como isso que estamos vivendo”, afirma a diarista.

PUBLICIDADE

Como na casa de Izabel, o desemprego já bateu na porta de quase um terço das famílias que ganham até um salário mínimo. Segundo pesquisa feita pela consultoria alemã Roland Berger, 30% dos entrevistados – nessa faixa de renda – dizem já ter, pelo menos, uma pessoa sem emprego em casa por causa do coronavírus.

“Quanto menor a renda, maior o impacto da crise sobre essa população mais vulnerável”, afirma Marcus Ayres, sócio da consultoria e um dos responsáveis pela pesquisa.

Segundo ele, o resultado reflete o efeito da crise nos pequenos negócios, que concentram os empregos de menor renda. É um efeito em cascata: a lojinha do bairro fecha as portas, deixa de faturar e demite o balconista, que para de consumir, explica ele.

O levantamento, segundo o executivo, ouviu 700 pessoas em todo o País nas primeiras semanas de quarentena. “A cada dia que passa a deterioração nos indicadores piora.”

No cenário do economista da Tendências Consultoria Integrada, Thiago Xavier, a deterioração do mercado de trabalho é perversa e rápida. No início da quarentena, ele previa desemprego de 12,9% ao final deste ano, num cenário básico, e de 14,1% num cenário pessimista. Nos últimos dias, o cenário pessimista virou o cenário básico e nada garante que as projeções não possam piorar.

Segundo Xavier, o quadro traçado prevê aumento das demissões, dos desalentados e dos vulneráveis. A previsão leva em conta exatamente a participação dos pequenos negócios no mercado de trabalho. “Cerca de 50% dos ocupados (ou 40 milhões de pessoas) estão em empresas com até cinco funcionários”, diz o economista. Desse total, 72% estão na informalidade.

Ele conta que em pesquisa recente do Sebrae, 18,1% dos pequenos empreendimentos afirmaram ter sido obrigados a demitir, em média, três funcionários nas últimas semanas.

Reserva de emergência

Outro dado preocupante é a falta de reserva dessa parcela da população. Segundo a pesquisa da Roland Berger, 57% não têm nenhuma reserva de emergência para se manter sem emprego e outros 14% têm dinheiro para apenas um mês. Só 5% têm fôlego para mais de seis meses.

“Para essa fatia da população, o resultado não é surpreendente, mas quando olhamos para famílias com rendas maiores e vemos que elas também não têm reserva, ficamos preocupados”, diz Ayres.

Para ter ideia, quase um terço das pessoas com renda entre R$ 5 mil e R$ 10 mil só tem dinheiro para aguentar um mês sem emprego. Ou seja, mesmo a classe média não tem condições de se bancar.

Segundo ele, a questão é como recolocar essas pessoas no pós-pandemia. “Elas podem entrar num estado de vulnerabilidade que dificulta até a busca por novas oportunidades. Isso pode retardar ainda mais a volta do crescimento.”

Na opinião de Xavier, a retomada – que pode ocorrer entre o terceiro e quarto trimestre – se dará mais em termos de ocupação do que de emprego e renda. Isso porque a crise está acabando com o capital do pequeno empregador, que ficará mais endividado. “Portanto, a retomada será com mais informalidade e renda menor.”

Plano B

PUBLICIDADE

Quando a quarentena começou em março, Herbert Bierwagen completava um ano de trabalho num restaurante no centro de São Paulo. Ele desenvolvia um projeto de cafeteria e não tinha registro em carteira. “Era minha principal renda. Não tenho plano B”, diz ele, que mora com a família.

Como tinha crédito com o restaurante, está recebendo R$ 300 por semana. “Dá para comer, mas não sei até quando vou receber esse valor.”

Felippe Fazan também perdeu o emprego no início da quarentena. Ele trabalhava há dez meses num escritório de advocacia, onde 90% dos clientes eram shopping centers. Sem emprego, ele terá de contar com a ajuda da mãe – única a trabalhar em sua casa neste momento – para cobrir suas despesas.

A avó, por nunca ter trabalhado, não recebe aposentadoria. “Ficará mais apertado. Apesar de meu salário ser baixo, eu ajudava com algumas contas de casa.”

Desde que foi demitida no mês passado, Marcela Lima ainda tenta arrumar um emprego em sites e redes sociais. “Mas, diante da paralisia da economia, eles informam que as vagas estão congeladas ou foram canceladas.”

Ela conta que mora com o filho numa casa alugada e depende de sua renda para sobreviver. Graças as economias que fez nos últimos anos, ela tem uma reserva para se manter durante oito meses. “Terei de fazer mais reduções. Não vou morrer de fome, mas preciso me recolocar rápido.”

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.