Desde 1998, profissional não demorava tão pouco tempo para conseguir emprego

Há dez anos, demora era de 36 semanas para conseguir emprego. Tempo atual é de 41 semanas, segundo pesquisa

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O tempo médio para conseguir um emprego na região metropolitana de São Paulo chegou a 41 semanas em julho último, de acordo com pesquisa da Fundação Seade e do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Trata-se do menor tempo para um mês de julho desde 1998, quando o registrado foi de 36 semanas. Em julho do ano passado, por sua vez, havia sido detectada uma demora de 49 semanas, o que implica redução de oito semanas, na comparação com o último resultado obtido.

Estratégias para conseguir um emprego

Para quem está desempregado, saiba que “atirar para todos os lados” não é a solução. Em primeiro lugar, tenha certeza do cargo que almeja e pode ocupar. Não adianta mandar currículo para uma vaga de supervisor ou gerente, por exemplo, se não possui a experiência necessária para desempenhar a função.

Aprenda a investir na bolsa

“Entre em uma competição que tem chances de ganhar. Em uma Olimpíada, ninguém se inscreve na corrida dos 100 metros raso sem que tenha chance de ser o número um”, explica o presidente do site Curriculum.com.br, Marcelo Abrileri.

Corrida de obstáculos

O compromisso também é importante. “Acho que as pessoas pecam muito com relação ao comprometimento”, lamenta Abrileri. “Quando você está desempregado, deve encarar a busca pelo trabalho como um emprego. Muitas pessoas não fazem isso”.

E essa busca não diz respeito apenas ao envio de currículos pela internet, mas também ao resgate de contatos profissionais antigos, incluindo ex-chefes, a ida a workshops, palestras e conferências, eventos propícios para conhecer gente de sua área de atuação e até mesmo a entrega de currículos de papel a familiares, amigos e ex-colegas de trabalho. “Muitas vezes, as pessoas ajudam”, garante.

Faz parte do processo também participar do maior número de processos seletivos possível, sempre lembrando de investigar sobre as empresas, antes de ir para as entrevistas. “É uma corrida de obstáculos”, diz o presidente do Curriculum.com.br.