Deflação em SP beneficiou mais as famílias de médio poder aquisitivo, revela ICV

Queda do custo de vida (-0,12%) foi maior entre as famílias com renda média de R$ 934,17; média geral apontou queda de 0,06%

SÃO PAULO – Em abril, os paulistanos se beneficiaram com uma ligeira queda nos preços. O ICV (índice de custo de vida) da capital registrou variação negativa de 0,06% no período, favorecendo, sobretudo, as famílias com poder aquisitivo mediano.

As informações, divulgadas nesta terça-feira (09), fazem parte do ICV (Índice de Custo de Vida) apurado mensalmente na capital paulista pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos).

Renda

O levantamento mostra que, para as famílias com renda média de R$ 934,17, pertencentes ao estrato 2 (nível intermediário) foram as mais beneficiadas com a deflação, já que neste segmento o custo de vida registrou variação negativa de 0,12%. No mês passado esse estrato registrou variação positiva de 0,43%.

Já o ICV para o estrato 1, composto por um terço das famílias mais pobres, que contempla os domicílios onde a renda média salarial fica em R$ 377,49 ao mês, registrou variação de -0,08%, após ter subido 0,15% em março.

Para as pessoas inseridas no estrato 3, com renda mensal média de R$ 2.792,90, os preços caíram apenas 0,02% em abril, frente à subida de 0,65% notado um mês antes.

Impactos distintos para cada faixa de renda

O grupo Alimentação foi o que mais contribuiu para o recuo da inflação no quarto mês do ano. O Dieese destaca o comportamento deste preço entre as diferentes classes de renda, uma vez que a forma de gastar difere entre os estratos.

A retração de 0,69% nos preços desse grupo beneficiou mais os membros do estrato 1, cuja renda é mais baixa. Enquanto a contribuição do estrato 1 foi de -0,26 ponto percentual, a do estrato 2 foi de -0,23 pp e a do estrato 3, de -0,12 pp.