Deficit da Previdência atinge R$ 2,7 bilhões em outubro

Com queda nas despesas tanto no setor urbano como no rural, deficit recuou mais de 70% na comparação com o mês de setembro

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Regime Geral de Previdência Social registrou deficit de R$ 2,7 bilhões em outubro deste ano, resultado de despesas na ordem de R$ 17,5 bilhões e receita de R$ 14,8 bilhões, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (25).

O deficit representa um recuo de 71,43% frente ao registrado em setembro deste ano, o que pode ser justificado pela queda nas despesas tanto do setor rural como do urbano, sendo que, neste último o destaque fica para a redução dos recursos necessários para o pagamento de passivos judiciais. Além disso, em agosto e setembro, as despesas aumentaram em função da antecipação da primeira parcela do 13º salário.

Em setembro, a arrecadação da Previdência foi de R$ 14 bilhões, contra R$ 23,2 bilhões de despesas, um deficit de R$ 9,2 bilhões.

Aprenda a investir na bolsa

Acumulado do ano
O resultado da Previdência apontou ainda aumento de 16,9% do deficit entre janeiro e outubro deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

Isso porque, no acumulado do ano, foram arrecadados R$ 141,27 bilhões e houve gastos de R$ 183,26 bilhões, o que resultou em um deficit de R$ 41,99 bilhões.

Benefícios
O valor médio real dos benefícios pagos pela Previdência Social teve um crescimento de 25% em outubro, na comparação com o mesmo período de 2002, chegando a R$ 700,55. No décimo mês do ano, 69% dos benefícios eram de até um salário mínimo, o que representa 18,5 milhões de beneficiários diretos.

No meio urbano, os benefícios com valor de até um salário mínimo representaram 46,7% do total, atingindo 7,9 milhões de pessoas. Já no meio rural, o percentual com valor de até um mínimo foi de 99,3%, beneficiando 7,9 milhões de pessoas.

Entre os benefícios assistenciais pagos em outubro, 99,6% tiveram valor igual a um salário mínimo, beneficiando 3,4 milhões de pessoas. Estes benefícios são operacionalizados pela Previdência por delegação de outras instituições e compostos majoritariamente pelos Benefícios de Prestação Continuada – BPC da LOAS, que equivalem a um salário mínimo.