Décimo terceiro médio do Distrito Federal é o maior do País

Em 2009, quase de R$ 85 bilhões entrarão na economia por conta do pagamento do abono de Natal de 69,925 milhões de pessoas

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Até o final de 2009, R$ 84,8 bilhões entrarão na economia por conta do pagamento do 13º salário de 69,925 milhões de pessoas. Do montante, R$ 58,579 bilhões serão pagos aos trabalhadores do mercado formal, o que dá uma média de R$ 1.390,25 para cada uma das 58.579.681.140 pessoas que se enquadram nesta categoria.

Considerando todos os beneficiários – incluindo o mercado formal e aposentados e pensionistas – os moradores do Distrito Federal receberão o maior valor médio para o abono de Natal de todo o País: R$ 2.397,72. Na sequência, aparecem os moradores do Amapá (R$ 1.400,61) e de São Paulo (R$ 1.346).

De acordo com a coordenadora regional do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), Eliana Elias, essa diferença acontece por conta da dinâmica de trabalho regional. “É uma diferença característica. No caso de Brasília, por exemplo, acontece por conta da concentração do pessoal do serviço público”, explica.

Maranhão, Paraíba e Piuaí têm os menores valores

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com estimativas do Dieese, Maranhão, Paraíba e Piauí serão os estados com o menor valor médio do décimo terceiro: R$ 705,61, R$ 709,32 e R$ 714,41, nesta ordem.

A tabela abaixo lista os dez estados com os maiores valores médios do abono de Natal:

EstadosValor médio do 13º salário *
Distrito FederalR$ 2.397,72
AmapáR$ 1.400,61
São PauloR$ 1.346
Rio de JaneiroR$ 1.268
AmazonasR$ 1.212,62
RoraimaR$ 1.072,09
AcreR$ 1.071,79
Rio Grande do SulR$ 1.035,93
Santa CatarinaR$ 1.022,74
Espírito SantoR$ 1.015,61

Fontes: Rais e Caged (MTE); Pnad (IBGE); Boletim Estatistico (Ministério da Previdência); STN (Secretaria do Tesouro Nacional – Execução Orçamentária do Estados) e Boletim Estatístico de Pessoal (Ministério do Planejamento)
Elaboração: Dieese
* Obs.: excluídos os beneficiários dos regimes próprios dos estados e da União.

Crescimento

Segundo os números do Dieese, as estimativas de pagamento para 2009 ultrapassam o valor pago em 2008, mesmo depois de um período de crise. Segundo Eliana Elias, esse crescimento significa que o Brasil respondeu bem à crise e se recuperou, tanto no que diz respeito aos trabalhadores no mercado formal quanto aos aposentados e pensionistas.