De supetão: veja os efeitos de dizer que deixará o cargo em poucos dias

"Informação não será bem-vinda, mas não quer dizer que terá portas fechadas para sempre", diz consultora

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Imagine que você, mesmo já estando empregado, resolveu participar do processo seletivo de uma outra empresa e foi escolhido. Mas, esta companhia quer que você assuma o cargo em poucos dias. O que fazer?

De acordo com a consultora de RH da Catho Online, Camila Mariano, o profissional deve ter consciência de que, mesmo tendo um bom relacionamento e desempenho, ele vai deixar a empresa atual na mão, e ela não ficará contente por isso.

“Nesse primeiro momento, a informação não vai ser bem-vinda, mas não quer dizer que o profissional terá as portas fechadas para sempre, se foi um bom funcionário e se manteve responsável até então”, afirmou.

Facilite a situação

Aprenda a investir na bolsa

Agora, o quadro pode ser um pouco diferente se já havia algo na empresa que desagradava o profissional e isso foi colocado para o empregador. “Vai ficar mais fácil mostrar que tinha necessidade de mudar, por um aumento salarial ou novo desafio, por exemplo”. Outro fator que ameniza a situação é estar aberto para negociações.

A informação de que terá que deixar a empresa deve ser feita pessoalmente. Coloque os motivos da mudança e informe o prazo. Mesmo assim, existe a possibilidade de o clima não ficar bom durante o tempo que ainda estiver na empresa.

Neste caso, é possível tomar uma medida para amenizar: “tem que se colocar à disposição da empresa para treinar, passar material ou indicar alguém com o perfil da empresa para passar as atividades. Tente deixar alguém preparado”.

Negociação

A melhor maneira de lidar com esta situação é tentar negociar com a empresa contratante um maior prazo para assumir o cargo. Desta maneira, o profissional estará mostrando responsabilidade, algo bastante prezado no mercado de trabalho.

Um prazo ideal para indicar a saída é de duas semanas, caso tenha alguém que possa assumir as responsabilidades, e algo em torno de um mês, se a empresa precisar abrir um processo seletivo.

Processo seletivo

Sobre o processo seletivo, Camila orienta os profissionais a dizerem que estão participando quando já apontaram que suas necessidades não estão sendo atendidas e quando existir liberdade com o chefe atual.

PUBLICIDADE

“Mas, na maioria dos casos, o chefe não dá essa liberdade e, se o profissional falar, acaba provocando a própria demissão. Ele acaba sendo deixado de lado, ficando de fora de alguns projetos porque não poderão contar com ele em algum momento no futuro”.