De olho na retenção de talentos, empresas oferecem benefícios ligados à saúde

Em pesquisa, todas as companhias ofereciam plano de saúde, enquanto 27% faziam o mesmo com profissionais já aposentados

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A atração e retenção de talentos são apontadas como principais desafios dentro das empresas e, por isso, a atenção ao pacote de benefícios dado aos colaboradores deve ser redobrada.

Uma pesquisa realizada pela Mercer, com 205 companhias, mostrou que 89% das empresas têm como principal desafio a atração e retenção dos talentos certos, enquanto 80% apontaram a diferenciação de excelentes realizadores. Ao mesmo tempo, elas estão de olho no pacote de benefícios: 71% se preocupam com o aumento dessa despesa.

Para o líder da área de Saúde e Benefícios da Mercer, Alexandre Espinosa, entre 18% e 22% da folha nominal de pagamento diz respeito aos benefícios.

Aprenda a investir na bolsa

“Se estiver nesse espaço, não assuste”, afirmou, referindo-se aos profissionais relacionados a esta área dentro das empresas, como RH (recursos humanos) e Finanças. “A busca por talentos está grande, então não pense em remuneração, mas em programa de benefício competente”.

Benefícios
E uma das apostas das empresas têm sido os benefícios de saúde. A pesquisa da Mercer apontou que todas elas concedem assistência médica aos empregados, enquanto 27% fazem o mesmo com os profissionais já aposentados.

Outras 82% oferecem assistência odontológica, ante 9% que oferecem aos aposentados. Um total de 92% oferecem seguro de vida aos ativos e 10%, aos aposentados.

Os dados mostraram ainda que, entre benefícios diferenciados oferecidos pelas empresas, estão o check up, caso de 70% das companhias avaliadas, o ambulatório médico (53%) e o auxílio farmácia (60%).

Além disso, elas oferecem programas de promoção à saúde e prevenção, a exemplo da vacina contra a Gripe A (65% das companhias), saúde ocular (42%), saúde bucal (39%), planejamento familiar (33%), esclarecimentos para gestantes (23%), esclarecimentos sobre diabetes (17%), campanha contra o tabagismo (12%) e de bons hábitos alimentares (6%).