Crescimento dos condomínios estimula a profissionalização dos síndicos

No Dia do Síndico, comemorado nesta terça (30), pesquisa do Secovi-SP revela perfil da nova geração, jovem e preparada

SÃO PAULO – Com o crescimento da estrutura dos condomínios, a figura do administrador predial também mudou. Foi-se o tempo em que síndico era a pessoa vista como aquela que nada mais tinha com o que se preocupar. Levantamento realizado pelo Secovi-SP (Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo) aponta para uma profissionalização da tarefa.

“Donas de casa e aposentados ocupam cada vez menos espaço na liderança dos condomínios, assim como a profissionalização da função é uma tendência confirmada pela pesquisa”, afirmou o vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do sindicato, Hubert Gebara.

De acordo com o sindicato, o crescimento dos condomínios é o principal motivo para a profissionalização do síndico. Muitos possuem áreas de lazer e serviços e misturam prédios residenciais com comerciais – tornando cada vez mais obrigatórios alguns conhecimentos por parte do síndico.

PUBLICIDADE

“Os próprios condôminos exigem do síndico conhecimento de tarefas que estão presentes no cotidiano dos conjuntos”, disse Gebara, por meio de nota. Diante de tantas mudanças e aproveitando o Dia do Síndico, comemorado nesta terça-feira (30), a pesquisa revela o novo perfil do síndico.

Jovens e preparados
Segundo o levantamento do Secovi-SP, 74% dos síndicos de prédios residenciais possuem entre 30 e 60 anos de idade e 26% têm mais de 60 anos. Considerando os prédios comerciais, 86% dos síndicos têm idade entre 31 e 60 anos.

“Percebemos que, nos últimos anos, os síndicos estão cada vez mais jovens e também mais preparados, no sentido de conhecer a legislação, os mecanismos de administração”, afirmou Gebara.

Estar atento às novas tecnologias, aos novos conceitos de sustentabilidade e estar presente no cotidiano dos condomínios são as principais características dessa nova geração de síndicos. Muitos até são graduados: 50% têm curso superior e outros 10% fizeram pós-graduação, mestrado ou mesmo doutorado, considerando os condomínios residenciais.

Nos prédios comerciais, a proporção de graduados é ainda maior: 51% possuem curso superior e 18%, pós-graduação, mestrado ou doutorado.

A pesquisa ainda mostra que 26% dos síndicos de prédios residenciais e 32% dos comerciais não recebem qualquer tipo de remuneração pelo trabalho que exercem.

O levantamento foi realizado em 1.011 condomínios residenciais e 160 comerciais na capital paulista e em 18 cidades do estado de São Paulo.