Crescimento do setor energético demanda profissionais qualificados

Segundo diretor de Recursos Humanos da CH2M, esse mercado ficará ainda mais aquecido nos próximos seis meses

SÃO PAULO – A crise financeira parece passar longe do setor de óleo e gás. A previsão é de que o segmento receba, nos próximos quatro anos, cerca de R$ 200 bilhões em investimentos. Entretanto, ele passa por um dilema: a falta de mão-de-obra qualificada
na área.

“É um momento de preocupação e oportunidade”, revela o diretor de Recursos Humanos para a América Latina da CH2M, Jaime Martins.

Ele diz que as empresas desse setor irão passar por uma fase preocupante, porque precisarão de profissionais qualificados para atender as suas demandas, mas encontrarão disponíveis no mercado pessoas muitas vezes despreparadas ou já comprometidas com outras organizações e/ou projetos.

Oportunidade

PUBLICIDADE

Na opinião do diretor de Recursos Humanos, o mercado ficará ainda mais aquecido nos próximos seis meses e deve continuar promissor até 2020.

“Haverá oportunidades para quem está pronto para atuar no setor, com uma forte demanda por mão-de-obra qualificada, especialmente nos níveis gerenciais. Por serem técnicos, apenas uma pequena parcela desses profissionais desenvolve habilidades gerenciais, o que levará a uma disputa acirrada por bons gestores”.

O que também pode ocorrer neste setor é a migração de determinados profissionais, como os engenheiros químicos, industriais e de produção para a área de óleo e gás. “É uma boa oportunidade para profissionais com sólida formação acadêmica e experiência profissional em projetos desafiadores no País ou no exterior”, finaliza Martins.