Crédito consignado em folha responde pela injeção de R$ 12 bilhões na economia

Segundo Governo, medida gera maior segurança dos credores, o que possibilita juros menores e provoca aquecimento econômico

SÃO PAULO – Segundo dados parciais do Ministério da Fazenda, R$ 12 bilhões foram injetados na economia em 2004 graças a uma nova modalidade de empréstimos.

Trata-se da concessão de crédito consignado, ou seja, com pagamentos descontados em folha. Até 2003 este tipo de operação, considerada à prova de inadimplência, era restrita ao funcionalismo público.

Juros menores

Justamente em virtude do risco reduzido, as taxas de juros incidentes sobre os recursos obtidos caíram para a metade das praticadas normalmente pelo mercado. Isso pôde ser notado, por exemplo, pelos aposentados pelo INSS, onde os juros nesta modalidade de crédito não ultrapassaram 2% ao mês.

PUBLICIDADE

Com isso, segundo o Governo, muitas pessoas se animaram a quitar dívidas que envolviam juros maiores, a comprar bens a prazo, a começar ou ampliar negócios próprios, o que gerou um aquecimento econômico benéfico a todos.

Ação continua

Para aumentar a eficiência do mercado de crédito, outras medidas estão sendo criadas em busca de resultado semelhante. Uma delas é a regulamentação dos bancos de dados dos serviços de proteção ao crédito (SPC), que passarão também a contar com informações positivas de pessoas que tiverem a intenção de conseguir financiamento.

O novo Sistema de Informações de Crédito do Banco Central (SRC) também deve funcionar dessa forma. As informações podem melhorar a confiabilidade dos clientes, aumentar a quantidade de empréstimos e reduzir custos.