Copa do Mundo e Olimpíadas aquecerão mercado para profissionais do Esporte

Para especialista, além do mercado, esses eventos terão impactos muito positivos sobre salários

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A Copa do Mundo e as Olimpíadas, que acontecerão no Brasil em 2014 e 2016, irão aumentar a demanda por profissionais de diversas áreas. Segundo o ministro do Esporte, Orlando Silva, somente para a Copa, o País irá gerar 330 mil empregos diretos e 400 mil temporários. 

“Para se fazer uma analogia, será gerado o equivalente a 11 vezes o número de postos de trabalho da Vale do Rio Doce”, afirmou o ministro. 

Entre os profissionais que serão buscadas, estão os de Educação Física. “Esses eventos têm um impacto muito positivo sobre o mercado de trabalho e os salários dos profissionais de Educação Física”, declara o coordenador do curso da Uninove (Universidade Nove de Julho), Edivaldo Góis.

Aprenda a investir na bolsa

Góis explica ainda que não sabe o número exato de profissionais que serão demandados, pois depende da política governamental que será adotada nos próximos anos. Mesmo assim, ele acredita que será uma quantia expressiva.

Formação de profissionais
Na Copa do Mundo de 2006 na Alemanha, cerca de 70 mil pessoas trabalharam no comitê organizador. Na próxima Copa de 2010, na África do Sul, espera-se a criação de mais de 100 mil postos diretos e indiretos, em nove sedes de jogos. Levando-se em conta que no Brasil serão 12 locais para as partidas, estima-se um número de vagas ainda maior.

“Amadorismo não terá espaço em um projeto tão ambicioso como esse. Teremos de investir em infraestrurutra para o desenvolvimento de esportes individuais e na formação de profissionais competentes, a fim de detectar talentos e realizar os treinamentos adequadamente”, saliente Góis.

Busca pela saúde
Além desses eventos esportivos, o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e a busca pela saúde e envelhecimento saudável aumentam a demanda pelos profissionais de Educação Física, principalmente por personal trainers e professores de academias e clubes.

Góis acrescenta a esses fatores a campanha desenvolvida pela mídia que ressalta a importância do exercício físico para a saúde.