Consumo cai no Japão, e pode prejudicar a recuperação econômica

Em resposta a uma queda de 3,6% na renda média do trabalhador japoneses, gastos com consumo recuaram em 3,3%

SÃO PAULO – Os gastos domésticos caíram 3,3% no Japão em julho, em comparação ao mesmo período do ano anterior, ficando em 323.525 ienes, segundo divulgou nesta terça-feira o governo do país.

O resultado ficou bem abaixo da expectativa, que apontava para uma expansão de 0,9%. Essa foi a primeira retração em dois meses, sugerindo que o consumo pessoal poderá desacelerar neste trimestre, após ter crescido bem na primeira metade do ano.

Corte de gastos em resposta à queda da renda

De acordo com um documento preliminar do Ministério de Relações Internas e Comunicações, a renda mensal média das famílias dos trabalhadores caiu 3,6%, para 572.399 ienes.

PUBLICIDADE

Para se acomodar com uma realidade orçamentária mais apertada, os japoneses cortaram gastos. Dessa forma, os gastos com transporte e comunicação, como compra de automóveis, por exemplo, caíram 11,9% no período, enquanto as despesas com educação foram reduzidas em 14,4%.

Em sentido contrário, os gastos com a manutenção e reparo das residências subiram 9,1%, enquanto gastos com lazer e cultura avançaram 1% no período. Todas as variações são medidas em termos reais, ou seja, já descontada a variação da inflação, e comparam com o nível registrado no mesmo período em 2004.

O resultado desaponta, pois coloca em risco a recuperação da economia, uma vez que os gastos pessoais respondem por cerca de 55% da variação do Produto Interno Bruto do Japão.