Comunicação é tudo! Veja perfis positivos e negativos de comunicadores

O tipo locutor de FM tem uma voz bonita. O problema é que é viciado nela, de forma que mantém sempre um único tom

SÃO PAULO – O conjunto de traços particulares de uma pessoa e características comportamentais, como o ritmo da fala, os problemas de linguagem, a ausência de gestos ou a gesticulação exagerada podem servir de base para a determinação de perfis de comunicadores.

O professor de Comunicação Verbal e diretor do instituto que leva seu nome, Reinaldo Passadori, explica que existem tipos positivos e negativos de comunicadores, embora ninguém seja totalmente um ou outro. “O que aponto são as características acentuadas apresentadas pelas pessoas”, diz.

Por exemplo, entre os tipos positivos, está o perfil Brilhante. Trata-se da pessoa que se assemelha a uma estrela, porque onde passa se destaca. São pessoas com um brilho especial no olhar, especiais, benquistas, bem-vindas, confiáveis, justas, e que irradiam simpatia. Mas Passadori lembra que não se trata de uma pessoa perfeita.

PUBLICIDADE

“Uma pessoa do tipo Brilhante pode não saber fazer gestos ou até mesmo ser tímida ou ter gagueira”, afirma ele, em seu livro “Comunicação essencial – estratégias eficazes para encantar seus ouvintes”, publicado pela Editora Gente.

Perfis positivos

Confira alguns perfis positivos:

  • Extrovertido: é o tipo alegre e brincalhão, está sempre bem-humorado e fica feliz quando vê os demais felizes. Sabe contar uma piada, provocar risos, sorrisos e gargalhadas;
  • Empático: sabe ouvir, mostra ter grande sensibilidade, paciência, tolerância e flexibilidade. Aceita as pessoas como são e não tenta mudá-las segundo seu referencial. Por isso, é uma pessoa agradável, confidente e amiga;
  • Sábio: mais do que cultura e conhecimento, é o tipo de pessoa que sempre tem a informação certa, fala com propriedade e profundidade do assunto em pauta. É criativo, pois seu pensamento reflete novas saídas e alternativas, extraídas de sua experiência. Evidencia-se como pessoa inteligente, perspicaz, culta e, portanto, interessante;
  • Entusiasta: esse tipo de pessoa reconhece em si a alegria de viver e a transmite por meio da forma como se expressa e do conteúdo otimista de suas palavras. O entusiasta irradia energia positiva e otimista e, dessa forma, envolve os demais.

Confira agora os perfis negativos, dos quais as pessoas podem querer distância. São também tipos prejudiciais à imagem do profissional no mercado de atuação:

  • Síndrome de Gabriela: quem tem essa síndrome teme qualquer tipo de mudança. Assim como na música “Modinha para Gabriela”, esse indivíduo pensa: “Eu nasci assim, eu cresci assim, e sou assim mesmo, vou ser sempre assim…”;
  • Hardy: é a personagem do antigo desenho animado Lippy e Hardy. Trata-se de uma hiena pessimista, desanimada e suas reclamações sempre começavam com a seguinte fala: “Ó dor, ó vida, ó céus, ó azar, isso não vai dar certo”;
  • Ai, meu Deus: tipo muito fácil de encontrar… Trata-se da pessoa que costuma ter uma reação imediata de medo quando é inesperadamente apresentada a um desafio, ao ouvir, por exemplo, um “você é o nosso convidado para proferir a próxima palestra”. Seu pensamento é justamente este: “Ai, meu Deus!”. Enquanto algumas pessoas reagem bem, outras ficam apavoradas e ansiosas;
  • Vingativo: os pensamentos que o assolam constantemente são: “Seu momento chegará”; “Não perde por esperar”; “A justiça tarda, mas não falha”. O vingativo sempre espera o momento certo de partir para o ataque, as indiretas ou as fofocas, a fim de prejudicar o suposto adversário;
  • Eu me amo: trata-se de uma pessoa que se julga superior às demais e age como se todo mundo estivesse ali para servi-la e aplaudi-la. O tipo Eu me amo tem uma atitude prepotente, antipática, olha as pessoas de cima a baixo;
  • Estúpido: grosseiro, desrespeitoso, não se preocupa com sua imagem nem com o impacto que provoca. Julga-se o dono da verdade e é autoritário;
  • Mórbido: insiste em abordar assuntos relacionados a doenças. Embora saudável, sua expressão, seu corpo e sua atitude refletem frouxidão, indolência e espírito doentio. Seus discursos são sempre relativos a remédios e procura chamar a atenção por meio da compaixão por seu sofrimento;
  • Sedutor: sua fala é macia, tem voz de veludo, gosta de elogiar fartamente tudo nos outros: olhos, boca, aparência, voz, o que a pessoa falou ou deixou de falar. Toca o interlocutor e a todo instante lança-lhe olhares maliciosos e provocantes. Levado às últimas consequências, pode ser tachado de “O rei da cocada preta” ou de “Zé Bonitinho”;
  • Oportunista: para esse tipo, a expressão-chave é “à espreita”. Age como uma cobra venenosa, escondida à espera da vítima. Ser oportunista é próprio de quem tem pouco conhecimento, não se atualiza, não lê nem procura se aprimorar;
  • PUBLICIDADE

  • Exagerado: é aquele que extrapola. Ao contar um conto, sempre aumenta um ponto; transforma um fato simples em algo dramático;
  • Locutor de FM: normalmente possuem uma voz bonita, um vozeirão. O problema é que dão muito valor a isso, de forma que, ao falar, mantêm um tom de voz linear, grave e sem brilho, sem jogo de variações nem manifestação de emoções;
  • Erudito: Há pessoas de fato muito cultas, merecedoras de nosso reconhecimento por seu esforço de estudo e rico aprendizado. O problema é que, ao falar, não têm sensibilidade para adequar seu vocabulário e estrutura de pensamento ao universo das pessoas, utilizando termos e expressões eruditos demais. O pior é que há quem utilize esse recurso para mostrar um nível de conhecimento que, na verdade, não possui.