Competências essenciais: quem pode ser promovido a líder?

"Não tem essa de feeling", diz diretor da BPI no Brasil. Hoje há ferramentas e consultorias que indicam líderes potenciais

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O professor do Ibmec e diretor da BPI no Brasil, Gilberto Guimarães, afirma que existem cinco competências essenciais a um líder e, antes de promover um funcionário a um cargo de liderança, o gestor deve estar atento a elas.

Ele lembra que, muitas vezes, o gestor promove aquele que mais se parece com ele, ou quem ele acredita que seja parecido, o que é muito perigoso, pois sua percepção pode estar equivocada. Felizmente, hoje, de acordo com o diretor da BPI no Brasil, existem ferramentas e consultorias especializadas em avaliação de competências, que determinam quem pode ser promovido a líder e quem ainda não está preparado.

“Não tem essa de feeling para promoções“, garante ele, ao lembrar que é fundamental, para a empresa, criar um processo que demonstre equidade nas escolhas, dando segurança e sensação de justiça aos funcionários.

As cinco competências fundamentais

Aprenda a investir na bolsa

Confira as competência que, segundo Guimarães, não podem faltar em um líder:

  • Capacidade de influenciar e convencer as pessoas o tempo todo. Lembre-se que status não é poder. Só tem poder, verdadeiramente, aquele que é respeitado pelo demais;
  • Capacidade de saber escolher e optar, com coragem, sem medo de assumir os riscos inerentes às escolhas. Isso é fundamental na tomada de decisões estratégicas;
  • Capacidade de controlar suas emoções, evitando, desta maneira, injustiças no tratamento dado aos funcionários;
  • Empatia. Perceber do que as outras pessoas precisam e o que elas desejam e fazer com que elas notem do que você precisa. Isso acarreta um acordo inconsciente de apoio e ajuda mútua selado entre líder e funcionário, sendo fundamental. “Tem líder que não percebe ninguém”, lamenta Guimarães;
  • Resiliência. Capacidade de antecipar acontecimentos do futuro, que irão afetar a empresa e a equipe. Por isso, o candidato a líder deve ser uma pessoa super antenada no mercado e nas práticas das empresas concorrentes, bem como alguém que pensa estrategicamente, e não operacionalmente. Essa necessidade independe da área de atuação da empresa. Pode ser uma editora de jornais, um banco ou uma fábrica de roupas.