Como resolver a “falta de química”, sem chegar ao ponto da demissão

Para o líder ter um bom relacionamento com a equipe, deve agir com sinceridade e questionar as próprias atitudes

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O bem-estar da equipe é essencial para o sucesso da empresa. Por isso, a resolução de problemas de relacionamento ou de “falta de química” entre líder e liderado é fundamental à retenção de talentos. Só que mais importante do que solucioná-los é evitá-los.

De acordo com o consultor da DBM, Aloísio Buoro, uma primeira medida nesse sentido é evitar dar autoridade demais a apenas uma pessoa.

“Quando o indivíduo tem muito poder, amplia-se o risco de ele estabelecer relações que não são respeitosas com as demais pessoas, de perder a noção do que é correto”, afirma o especialista.

Aprenda a investir na bolsa

Além disso, segundo ele, a concentração de poder faz com que a empresa opere seguindo apenas uma linha de raciocínio, sem dar espaço para pontos de vista diferentes, que poderiam ser muito mais enriquecedores ao negócio.

Feedback

O retorno constante quanto ao trabalho realizado pelos liderados é essencial, mas também é preciso encontrar um horário na agenda para ouvi-los.

“É necessário abrir caminho para que o funcionário se expresse, informe suas dúvidas e problemas. Uma relação madura e transparente evita confronto entre funcionários”, explica Aloísio Buoro, ao ressaltar a importância do feedback.

Quando falta de química prevalece

Se um problema de química não for solucionado, apesar de as partes envolvidas (líder e liderado) contarem com conhecimento e instrumentos para tal, cabe ao executivo principal da empresa ou ao departamento de Recursos Humanos informar que o problema está prejudicando o ambiente corporativo e os resultados da empresa. Também é importante dizer que é aguardada uma solução para o problema.

“A empresa deve deixar claro que não deseja perder talentos somente por conta de questões de relacionamento e que espera que os profissionais envolvidos no assunto solucionem a questão”, afirma o consultor da DBM.

“Isso deve ser feito sem que a empresa tome partido. Ela deve manifestar sua preocupação com um ambiente equilibrado, no qual inveja, falta de humildade ou arrogância não falem mais alto”, acrescenta.

PUBLICIDADE

Buoro finaliza citando três palavras-chave para que os executivos de uma empresa mantenham o bom relacionamento com seus pares no ambiente de trabalho: “sinceridade, clareza e capacidade de autoquestionamento”.