Como conciliar a carreira com a chegada do primeiro filho?

Lidar com a formação da nova família pode não ser tão fácil, porém muito longe de ser impossível, afirma a diretora da Ricardo Xavier, Neli Barboza

SÃO PAULO – O choro no meio da madrugada, os gastos com fraldas e a pilha de papinhas dentro do armário da cozinha. Os pais de primeira viagem, não acostumados à rotina de um bebê e que, até o presente momento, estavam “apenas” focados na carreira, podem ficar um pouco desnorteados no início.

Lidar com a formação da nova família pode não ser tão fácil, porém muito longe de ser impossível. Quem afirma é a diretora de consultoria da Ricardo Xavier Recursos Humanos, Neli Barboza.

“A mãe dessa criança deve ter objetivos claros, estudar ou trabalhar, enfim, levar adiante esse processo de vida”, diz Neli. De acordo com a especialista, o planejamento é a base de tudo, algo que dará suporte aos pais.

PUBLICIDADE

Métodos
Durante o processo de gestação é ideal que um dos pais já tenha, na ponta do lápis, todo o planejamento que deverá ser seguido para 
não deixar a “chupeta cair”.

“Bote em um papel questões como o tempo, trabalho, estudos e flexibilidade. Isso irá aliviar a culpa de ter que deixar, no início, a criança com algum outro responsável”, pondera Neli.

Os passos iniciais para a construção desse planejamento consistem em avaliar questões como quem tomará conta do bebê enquanto os pais estiverem no trabalho, quanto tempo ele irá ficar com essa pessoa, se a comida está guardada, enfim, tópicos relacionados ao bem-estar do pequeno.

A especialista garante que se tudo isso estiver planejado, metade do caminho já estará traçado.

Antecipe
Para não prejudicar a carreira ou os estudos, a dica é comunicar com antecedência os responsáveis por cada instituição. A transparência, opina Neli, alimenta uma imagem de qualidade e comprometimento, visto que tudo já foi planejado com cautela.

“O que essa mãe deve saber é que ela não é a única no mundo nessa função. A criança tem outras pessoas a quem recorrer nas mais diversas horas. Avós, tios, enfim, todos darão esse suporte”.

Outra possibilidade é da mãe encerrar a carreira ou trocar o emprego por algo profissional mais flexível, almejando passar mais tempo com o filho.

“Se essa mãe quer trabalhar menos, ela tem de saber que irá ganhar não tão bem quanto antes. Todas essas possibilidades devem ser levadas à tona”, afirma Neli.

A dica da especialista da Ricardo Xavier é simples para evitar problemas: use e abuse das orientações do Pediatra, utilize-o como uma espécie de “mentor da carreira e vida materna”.